Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Protestos no Rio e em Niterói perdem força nesta terça

Poucas centenas de pessoas se reuniram na favela da Rocinha e no Centro da cidade da Região Metropolitana, que ganharam reforço no policiamento

Por Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro Atualizado em 10 dez 2018, 10h00 - Publicado em 25 jun 2013, 18h12

A cidade de Niterói e o bairro da Rocinha são os protagonistas das manifestações desta terça-feira no Rio de Janeiro. Em uma concentração bem menor do que na semana passada, centenas de manifestantes se reuniram por volta das 17 horas para dar continuidade à onda de protestos que ainda toma as ruas do país. Na segunda-feira, um ato no Centro da capital também dava sinais de que o movimento pode estar perdendo força: o número de manifestantes não passou de mil, segundo a Polícia Militar.

Cerca de uma hora antes do início previsto para a manifestação em Niterói, que reuniu cerca de mil pessoas, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) já havia se dirigido para a cidade da Região Metropolitana com a frota reforçada por um blindado e um caminhão com jato d’água. Segundo a Polícia Militar, balas de borracha e bombas de efeito moral também serão usados se necessário, mas jatos d’água devem passar a ser usados primordialmente, com a função de dispersar manifestantes sem correr o risco de ferir os que não estejam envolvidos com vândalos.

Toda precaução com a segurança mostrou-se necessária após o protesto anterior, na quarta-feira da semana passada, quando a ponte Rio-Niterói precisou ser fechada depois que um grupo de manifestantes tentou chegar à via. O ato, que começou pacífico e reuniu cerca de 10.000 pessoas, terminou com confronto e vandalismo. A Tropa de Choque foi acionada e usou balas de borracha e bombas de efeito moral para conter os mais exaltados. Um ônibus foi incendiado e a estação das barcas na Praça Arariboia, chegou a ser invadida.

Rio – Na capital, o protesto de maior representatividade ocorreu no bairro de São Conrado. Depois de se encontrarem em frente à escola de samba Acadêmicos da Rocinha, por volta das 17 horas, cerca de 200 manifestantes iniciaram uma caminhada pela Avenida Niemeyer (que foi parcialmente interditada) até o bairro do Leblon, onde mora o governador Sérgio Cabral, num trajeto de cerca de 13 quilômetros. Por volta das 19 horas, o público era de aproximadamente mil pessoas, de acordo com a PM. Eles devem se juntar às dezenas de manifestantes que estão acampados em frente ao prédio de Cabral desde sexta-feira passada.

Em comunicado distribuído entre os moradores, a Associação de Moradores e Amigos de São Conrado (Amasco) pedem que o ato seja pacífico e que os participantes evitem usar máscaras ou qualquer outro método para cobrir o rosto. O policiamento ficará a cargo de agentes do 23º Batalhão da Polícia Militar (BPM), que recebeu reforços da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), totalizando cerca de 450 homens. Já de manhã, shoppings e outros estabelecimentos comerciais fecharam as portas e cobriram as fachadas com tapumes para evitar vandalismo.

Leia: Depredações no Rio chegam a 3,5 milhões de reais

Na Centro, dois protestos menores ocorreram de forma pacífica no início da tarde. Um deles pedia a libertação dos presos em manifestações, e o outro, em frente à Câmara dos Vereadores, tinha o objetivo de pressionar os parlamentares a aprovarem a criação da CPI dos Ônibus. Este último foi concluído com sucesso e sem incidentes – 27 assinaturas foram coletadas, dez a mais das 17 exigidas. A iniciativa de pedir a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito foi do deputado Eliomar Coelho, do PSOL.

Vídeo: Protesto no Rio termina em pancadaria e destruição (20/6)

Leia também:

Segurança reforçada na final da Copa das Conderações

Justiça nega pedidos de prisão “em aberto” feitos contra manifestantes no Rio

‘Ninguém vai proteger vândalos’, diz governador do Rio

Beltrame considera acionar Exército para protestos no Rio

Leia mais: PM vai usar bomba de efeito moral com dobro da potência

O MP, agora, também vai às ruas protestar

http://videos.abril.com.br/veja/id/ae7090066c854c06a4c4ba43031908ea

17h30 – Manifestantes chegam de metrô ao Centro do Rio

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/8ae6f93a53db4af3c4448cc8f588ac6a

18h – Em coro, multidão chama mais pessoas para as ruas

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/8ee5fff4f0e0cc4128fdbf43080d20d0

18h15 – Chuva de papel picado dos prédios da Av. Rio Branco

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/7b690cf011a1ced73eba0676d720fa18

18h45 – ‘Sem violência’, pedem manifestantes

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/6d13e4d284664be721a6d6f9e36e848b

19h30 – Policiais que faziam segurança da Alerj são atacados

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/73a3e75da6a04ed0e1fa493ff49c4d93

19h40 – Vândalos invadem e depredam prédio da Alerj

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/3711ca8bacb76fdc1aa75bc825d7cbde

19h55 – Policiais atiram ao alto para conter baderneiros

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/e40713e0d3b4f1ea3a01a2bd4549b945

20h – Policiais são apedrejados e agredidos

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/be359badb5268b8de0de54155dcfb4db

20h25 – Vândalos viram carro que seria incendiado depois

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/f2ffd964b95c52bebf2e2b1e6259a3ca

20h50 – Carro é incendiado no entorno do Alerj

.

Continua após a publicidade

http://videos.abril.com.br/veja/id/1d6e1aa45ec21fa557db830e4d6062e1

21h10 – Bombeiros chegam e são ovacionados pela multidão

.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade
Publicidade