Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Protesto contra tarifas terá troféu “Aumento Inovador” para Doria

O prefeito deverá enfrentar a primeira manifestação de seu mandato, que será contra o aumento no valor das integrações de ônibus com o sistema sobre trilhos

Por Vagner Magalhães
Atualizado em 9 jan 2017, 14h57 - Publicado em 9 jan 2017, 14h54

Depois de iniciar o seu mandato na rua, ora vestido como gari, ora participando de um mutirão para a construção de calçadas ou ainda andando de bicicleta, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), deve enfrentar o seu primeiro protesto na próxima quinta-feira, quando será agraciado com o troféu simbólico “Aumento Inovador”.

O prêmio será “concedido” pelo Movimento Passe Livre, o mesmo que em 2013 levou os paulistanos às ruas por conta do aumento de 20 centavos na tarifa dos transportes. A concentração está marcada para as 5 da tarde na praça do Ciclista com a rua da Consolação. E o destino final é a casa do prefeito, no Jardim Europa.

 

Desta vez, mesmo que a tarifa básica permaneça congelada em 3 reais e 80 centavos, o aumento das integrações com o  sistema sobre trilhos e nas modalidades “mensal” e “diário” do Bilhete Único, ambos acima da inflação, vão pautar o protesto.

O aumento, ou “diminuição dos descontos”, como preferem as administrações tucanas de Dória e do governador Geraldo Alckmin, estão, inclusive, na mira de Justiça.

Na última sexta-feira, uma decisão do juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho cancelou os reajustes, por meio de uma liminar na Justiça. Porém, o Estado alega não ter sido notificado e novos preços estão valendo, o que poderá ser alterado nas próximas horas.

Continua após a publicidade

De acordo com o MPL, o congelamento da tarifa é falso e por isso houve a convocação para para a manifestação. “Quando ele (Doria) diz que congelou a tarifa, é uma grande mentira. O que estamos vendo é um aumento camuflado. E ainda haverá uma taxa para quem fizer a integração nos terminais intermunicipais”, afirma o estudante Francisco Bueno, membro do movimento.

“O aumento precisa ser barrado na rua”, diz ele. Na avaliação do MPL, o aumento prejudica justamente as pessoas que moram mais afastadas do centro expandido, que fazem integração com o Metrô e os trens da CPTM, e os moradores da Grande São Paulo, que além de terem de arcar com os aumentos em suas respectivas cidades, ainda serão “punidos” com a taxa de integração nos terminais paulistanos.

Guarulhos, Cotia e Carapicuíba também têm protestos agendados para esta semana por conta dos reajustes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.