Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Protesto contra Rio-2016 termina em confronto com a PM no Rio

Manifestantes foram dispersados das proximidades do Maracanã com bombas de gás lacrimogêneo

Por Da redação - Atualizado em 5 ago 2016, 20h21 - Publicado em 5 ago 2016, 19h15

Um protesto contra os Jogos Olímpicos terminou em confronto entre manifestantes e policiais militares, na Tijuca, Zona Norte do Rio, nesta sexta-feira. A passeata, que transcorreu pacífica durante todo o trajeto, acabou sendo dispersada com bombas de gás e de efeito moral na Praça Afonso Pena, onde os manifestantes haviam parado, nas proximidades do Estádio Maracanã.

O conflito ocorreu por volta das 18 horas, quando a praça estava lotada de famílias, a maioria com bebês e crianças pequenas, que brincavam no local, tradicional ponto de recreação do bairro. O acirramento se deu após um grupo de jovens manifestantes, alguns com o rosto coberto, terem incendiado uma bandeira do Brasil, com a qual saíram correndo, imitando uma tocha.

O Batalhão de Choque avançou sobre os manifestantes e começou a disparar diversas bombas de gás lacrimogêneo, provocando uma correria na praça. Algumas pessoas passaram mal e chegaram a desmaiar, sendo atendidas por voluntários da Cruz Vermelha que acompanhavam a manifestação para dar suporte. A estação de metrô que funciona na praça chegou a fechar as portas como medida de segurança. A cena foi monitorada do alto o tempo todo por um helicóptero da PM.

Tocha – No começo da tarde, em Copacabana, na Zona Sul da cidade, um protesto contra o presidente interino Michel Temer alterou o trajeto do revezamento da tocha olímpica, que deixou de passar por um trecho da orla e seguiu por ruas internas do bairro. Diversos movimentos de esquerda e centrais sindicais protestaram com faixas e cartazes em português e em inglês, em frente ao Hotel Copacabana Palace. Houve um momento de tensão, quando a manifestação foi impedida de avançar, até que a tocha deixasse Copacabana.

Publicidade