Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Projeto de transposição do Paraíba do Sul começa em 2 de outubro

Obra provocou divergências com o Estado do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, o que a colocou em risco de não sair do papel

Por Da Redação 24 set 2015, 11h29

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou nesta quarta-feira que a ordem de serviço para o início das obras de transposição de água da Bacia do Paraíba do Sul para o Sistema Cantareira será iniciada no dia 2 de outubro. A transposição foi anunciada por Alckmin em março do ano passado. Na época, o tucano disse que a licitação sairia em 120 dias e a obra, em 14 meses. Foi anunciado também que a transposição de água do Reservatório Rio Grande, braço limpo da Represa Billings, para reforçar o Sistema Alto Tietê, começará na próxima quarta-feira.

Leia mais:

Calor e solo sem umidade causam ‘efeito esponja’ que agrava crise hídrica em SP

Agosto é o 2º mês mais seco do Cantareira em 85 anos

A ideia provocou divergências com o governo do Rio de Janeiro, que temia que a transposição prejudicasse o Paraíba do Sul, única fonte de abastecimento para 10 milhões de pessoas. Um acordo entre os governos, incluindo também o de Minas Gerais e o federal, teve de ser fechado no Supremo Tribunal Federal (STF), depois das eleições, e o projeto de transposição entrou para a lista de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Isso permitiu que a licitação fosse feita em Regime Diferenciado de Contratações (RDC), ou seja, de forma mais rápida. Em março, porém, após a reclamação de uma empresa, a licitação foi suspensa pelo Tribunal de Contas do Estado.

A transposição prevê a transferência de 5,1 mil litros por segundo, em média, da Represa Jaguari, em Igaratá, para a Represa Atibainha, em Nazaré Paulista, um dos reservatórios do Cantareira. Uma adutora de 13,4 quilômetros será usada para fazer a transposição.

Além disso, a partir de quarta-feira, a Sabesp começará a bombear para o Alto Tietê, que abastece 4,5 milhões de habitantes, mais 4 mil litros por segundo da Billings. De 500 milhões de reais previstos, o preço final da obra passou para 830 milhões de reais.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade