Clique e assine com até 92% de desconto

Produtor americano acusado de matar brasileira será julgado no México

Por Mark Ralston 27 dez 2011, 19h07

Um produtor americano de programas de TV, acusado pelas autoridades mexicanas do assassinato de sua mulher brasileira em abril de 2010, aceitou ser extraditado e julgado no México, anunciaram seus advogados nesta terça-feira.

Bruce Beresford-Redman, ex-produtor do “reality show” “Survivor”, decidiu não apelar da recente decisão de um juiz federal de Los Angeles (Califórnia, sudoeste dos Estados Unidos), que confirmou sua extradição ao México.

“Estamos decepcionados com a decisão do tribunal”, declararam em um comunicado Richard Hirsch e Vicki Podberesky, advogados de Beresford-Redman, que mora atualmente na Califórnia.

“Bruce decidiu não apelar da decisão e retornar ao México para se defender das acusações imputadas a ele. É inocente, e espera que as autoridades mexicanas lhe garantam um processo justo que, tem certeza, o exonerará das acusações”, completaram.

Beresford-Redman, 40 anos, foi acusado pelas autoridades do estado mexicano de Quintana Roo (sudeste) de ter assassinado sua mulher Monica Burgos, uma restauradora brasileira com a qual estava casado havia 11 anos, em um luxuoso hotel do balneário de Cancun.

O corpo da vítima foi encontrado em 8 de abril de 2010, três dias depois de seu marido denunciar seu desaparecimento. O corpo, nu e com sinais de violência, jazia na caixa d’água do hotel, onde o casal estava de férias com os filhos.

Na ordem de extradição, o procurador-adjunto Justin R. Rhoades afirma que o produtor supostamente matou sua mulher por três motivos: para receber o seguro de vida dela, obter a custódia das crianças e continuar uma relação extraconjugal que mantinha com uma de suas colegas de trabalho.

Após revisar as acusações, o juiz federal Philip S. Gutiérrez confirmou a extradição na semana passada, e afirmou que “as provas apontam para um homicídio cometido pelo fugitivo”.

Beresford-Redman saiu do México para os Estados Unidos duas semanas depois da descoberta do corpo de sua mulher, apesar de as autoridades mexicanas terem confiscado seu passaporte.

Continua após a publicidade
Publicidade