Clique e assine a partir de 9,90/mês

Primeira fase do julgamento do massacre do Carandiru é concluída

Jurados estão reunidos para responder questionários sobre a responsabilidade dos 26 policiais acusados de assassinar 15 detentos

Por Da Redação - 20 abr 2013, 23h08

A primeira fase do julgamento do massacre de 111 presos do Carandiru, em São Paulo, ocorrida em 1992, terminou na noite deste sábado. Após as apresentações da defesa e da Promotoria, os jurados, seis homens e uma mulher, se retiraram para uma sala privada onde terão que responder a um longo questionário para decidir sobre a responsabilidade de 26 policiais no assassinato de 15 prisioneiros, segundo informou o Tribunal de Justiça de São Paulo.

O veredicto pode ser anunciado nas próximas horas ou nos próximos dias, dependendo do tempo que durarem as deliberações. Os jurados terão de responder a mais de 1.000 perguntas. Na votação, cada jurado recebe 290 folhas, respondendo a quatro quesitos para cada policial julgado. Posteriormente, o juiz José Augusto Nardy Marzagão irá redigir e divulgar a sentença.

Leia também:

Defesa se refere a policiais do Carandiru como �heróis�

Carandiru: Fleury diz que entrada da PM foi ‘necessária e legítima’

Testemunha diz que PMs colocaram armas entre os mortos

‘PMs já entraram atirando’, afirma ex-detento do Carandiru

Continua após a publicidade

Julgamento – O promotor Fernando Pereira da Silva pediu a absolvição de três réus, por entender que não participaram dos assassinatos. Além disso, solicitou que se exima os 23 acusados restantes de dois dos 15 assassinatos em que está centrada a primeira parte do julgamento.

A advogada de defesa, Ieda Ribeiro de Souza, argumentou que as acusações são “genéricas” e afirmou que não há provas que incriminem os réus em mortes concretas, assim, pediu a absolvição de todos. “No direito penal, a pessoa deve ser julgada pelo que efetivamente fez, não pela conduta de toda a tropa”, afirmou a advogada em sua alegação final.

A acusação sustentou que os 79 policiais acusados (nesta primeira etapa, apenas 26 policiais estão sendo julgados) atiraram naquele 2 de outubro de 1992, e que o fizeram com a “intenção de matar” os presos, que participavam de um motim. Os policiais que prestaram depoimento ao tribunal admitiram ter disparado, mas disseram que não puderam certificar se causaram baixas porque o pavilhão da prisão estava em “penumbra”.

Segundo a Promotoria, a situação de baixa luminosidade se contradiz com a pontaria dos agentes, que acertaram 515 tiros no corpo das 111 vítimas fatais, 126 deles na cabeça, segundo números do relatório legista. Os promotores também denunciaram a destruição de provas e acusaram os policiais de ter colocado na cena do crime 13 armas de fogo, com o objetivo de fingir que os presos estavam armados e justificar o tiroteio.

Ao terminar o turno de réplica, a acusação exibiu dez minutos do filme Carandiru, do diretor argentino-brasileiro Héctor Babenco, que trata do massacre.

A Justiça deve processar no total 79 policiais, mas dividiu o processo em quatro fases, dada a grande quantidade de acusados neste caso, pelo qual ainda ninguém cumpriu pena. O comandante da operação, o coronel Ubiratan Guimarães, morto em 2006, foi condenado em 2001 a 632 anos de prisão e absolvido depois em uma apelação.

(Com agência Efe)

Continua após a publicidade
Publicidade