Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Presos no Rio traficantes suspeitos de ataques a UPPs

Piná e 2D foram encontrados em uma casa de luxo em Búzios, Região dos Lagos. Operação conjunta contou com agentes das polícias Federal e Civil

Por Da Redação 21 abr 2014, 16h58

Suspeitos de comandar ataques a Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) nos últimos meses, dois traficantes foram presos nesta segunda-feira, em Búzios, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. A prisão foi resultado de uma ação conjunta da Polícia Federal e da Polícia Civil. Bruno Eduardo da Silva Procópio, de 33 anos, conhecido como Piná, é chefe do tráfico da Vila Cruzeiro, e Eduardo Fernandes de Oliveira, o 2D, de 40 anos, atua no Complexo do Alemão, ambas favelas da Zona Norte da capital.

Segundo a polícia, Piná ordenou os ataques a quatro ônibus e três carros durante protesto no bairro de Caramujo, em Niterói (Região Metropolitana), no último sábado. Os traficantes são suspeitos de organizar também os ataques simultâneos às UPPs de Mandela, em Manguinhos, e da Camarista Méier, no Complexo do Lins, no mês passado. Os ataques levaram o governo do Estado a pedir reforço das Forças Armadas. Desde o início de abril o Exército ocupa o Complexo da Maré.

Bruno Eduardo da Silva Procópio, conhecido como Piná, era procurado pela polícia
Bruno Eduardo da Silva Procópio, conhecido como Piná, era procurado pela polícia VEJA

Os traficantes foram encontrados em uma casa de luxo alugada por 7.000 reais, em Tucuns, perto da praia de Geribá. Eles aproveitavam o feriado prolongado ao lado de amigos e familiares, e foram levados de volta ao Rio de Janeiro em um helicóptero da Polícia Civil. O Disque-Denúncia oferecia recompensa de 5.000 reais por informações sobre Piná, e 1.000 reais a quem desse informações sobre 2D. “Eles eram bastante sanguinários”, disse o delegado da Polícia Federal Carlos Eduardo Tomé, após as prisões.

Leia também:

Policiais da Rocinha voltam a ser alvos de bandidos

Bandidos matam policial e comemoram no Facebook

Beltrame admite: ‘Temos problemas de guerra no Rio’

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade