Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Preso, suspeito de matar Marielle é alvo de operação da PF

Ronnie Lessa seria integrante de quadrilha internacional de tráfico de armas 

Por Ricardo Ferraz 15 mar 2022, 11h08

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira, uma operação para desmantelar uma quadrilha de tráfico de armas. Entre os alvos está Ronnie Lessa, ex-policial militar, acusado de ser o executor dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Lessa está preso em um presídio federal em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, onde foi interrogado. Em entrevista exclusiva a VEJA, ele negou que participasse do comércio ilegal de armas de fogo e alegou ser apenas um colecionador.

A operação foi batizada de Flórida Heat porque a quadrilha tinha braços em Miami, de onde enviava armas dos para o Brasil.

Segundo as investigações, o grupo adquiria armas e munições nos Estados Unidos e os enviava ao Brasil desmontadas, por meio de cargas marítimas em containeres e encomendas postais de avião. Os pontos de entrada eram os estados do Amazonas, São Paulo e Santa Catarina. Na maioria dos casos, o material era acondicionado dentro de equipamentos, como máquinas de soldas e impressoras, e eram despachados juntamente a outros itens como telefones, equipamentos eletrônicos, suplementos alimentares, roupas e calçados.

Os policiais também investigaram uma residência no bairro de Vila Isabel, no Rio de Janeiro, que é considerado o endereço final das remessas. Dali, as peças eram retiradas pelos integrantes da quadrilha responsáveis por fazer  a usinagem e montagem do armamento. Em alguns casos, eles utilizavam impressoras 3D para fazer algumas partes em plástico, prática conhecida como Ghost Gunner. Posteriormente, as armas  eram distribuídas para traficantes, milicianos e assassinos de aluguel.

Continua após a publicidade

O dinheiro para a compra do armamento era enviado do Brasil para os EUA através de doleiros. Foi identificado um brasileiro, dono de churrascarias, em Boston, que recebia parte desse dinheiro e repassava para os alvos residentes nos EUA.

O bando investia o dinheiro adquirido com o tráfico de armas em imóveis residenciais, criptomoedas, ações, veículos e embarcações de luxo. A justiça decretou o sequestro de bens da quadrilha, avaliados em cerca de 10 milhões de reais. Ao longo da investigação, foram apreendidos milhares de armas, peças, acessórios e munições de diversos calibres, tanto no Brasil, quanto nos EUA.

Cerca de cinquenta policiais federais e promotores do Grupo de Combate ao Crime Organizado do Ministerio Publico Federal  e agentes americanos, cumprem sete mandados de busca e prisão preventiva expedidos pela 1ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

Em Miami, a operação conta com apoio da Agência de Investigações de Segurança Interna (Homeland Security Investigations – HSI) da Embaixada dos Estados Unidos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.