Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Presidente da Cedae-Rio terá carro blindado contra ‘retaliação’

Segundo a companhia de águas e esgoto, medida é necessária após 'decisões duras'

Por Cássio Bruno - 9 jan 2020, 21h49

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) pagará R$ 311.900 pelo aluguel, nos próximos 24 meses, de um carro blindado para uso do presidente da empresa, Hélio Cabral. O contrato foi publicado no Diário Oficial do governo do Estado na terça-feira 7. Segundo a Cedae, o objetivo é evitar ações que “poderiam levar a tentativas de retaliação” por parte de funcionários após “decisões duras, como corte de privilégios”.

Em março do ano passado, a Cedae demitiu, de uma só vez, mais de cinquenta funcionários, a maioria engenheiros com mais de quarenta anos de casa. Segundo a empresa, “a utilização de carros blindados é uma medida preventiva e comum entre ocupantes de cargos de grande visibilidade e responsabilidade, inclusive já foi adotada por gestões anteriores da companhia. Vale lembrar que o cargo de diretor presidente exige a tomada de decisões duras, como cortes de privilégios, de supersalários e controle de ponto, entre outras. Estas ações poderiam levar a retaliações”.

Cabral foi nomeado para o comando da Cedae logo no início do governo de Wilson Witzel, em 2019. Quatro anos antes, quando era membro do conselho diretor da mineradora Samarco, Cabral chegou a ser investigado pelo Ministério Público Federal. Ele era suspeito de ter conhecimento do risco de rompimento da barragem de rejeitos e não tomar providências para evitar a tragédia que matou 19 pessoas em Mariana, Minas Gerais. Tornou-se réu em um processo por homicídio com dolo eventual, mas foi inocentado.

Publicidade