Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Eleito, Greca promete usar papa como modelo

Em setembro, o candidato do PMN à prefeitura de Curitiba havia declarado que 'vomitou' ao sentir o cheiro de um morador de rua

Por Da redação - Atualizado em 30 out 2016, 21h12 - Publicado em 30 out 2016, 20h00

Depois de dizer que não é São Francisco de Assis para cuidar dos pobres, Rafael Greca (PMN), candidato eleito à prefeitura de Curitiba, disse neste domingo que vai usar o papa Francisco “como modelo” em sua gestão. “Espero fazer um serviço público transparente, usar a verdade como método. E usar o papa Francisco como modelo”, disse Greca, após sua vitória.

Em 22 de setembro, ele deu uma declaração um tanto diferente e infeliz, que fez com que ele caísse nas pesquisas eleitorais. “Eu nunca cuidei dos pobres, eu não sou São Francisco de Assis. Até porque a primeira vez que tentei carregar um pobre e pôr dentro do meu carro eu vomitei por causa do cheiro”, afirmou, durante sabatina promovida pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná e o jornal Bem Paraná.

Neste domingo, Greca conseguiu 53,38% do total dos votos, enquanto Ney Leprevost (PSD) amealhou 46,62%. Questionado sobre o alto índice de nulos e abstenções (que somaram 15,8%), Greca disse que esses eleitores são eleitores “órfãos das antigas bandeiras que a Lava Jato pulverizou” e que tem o dever de “reencantar essas pessoas com a política”.

O prefeito eleito também disse que vai começar já nesta segunda-feira e que terá como prioridade a saúde. Ele ainda criticou a gestão de Gustavo Fruet (PDT) ao dizer que saiu “espancado pelos buracos” das ruas de Curitiba neste sábado, quando fez uma carreata por 75 bairros da cidade. “Até passei Cataflam na barriga”, brincou.

Publicidade