Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Polícia usa bombas de efeito moral contra professores em greve

Cerca de 700 PMs acompanham protesto na Cinelândia. Base de apoio do prefeito tenta aprovar nesta terça Plano de Cargos e Salários da categoria

Por Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro 1 out 2013, 15h22

A Polícia Militar lançou bombas de efeito moral para dispersar um grande protesto de professores e servidores públicos de outras áreas, nas imediações da Câmara Municipal, no Centro do Rio. Por volta das 14h, foram disparadas pelo menos seis bombas, cujos estrondos assustaram vereadores e pessoas que estão no plenário do Palácio Pedro Ernesto, sede do Legislativo municipal. O protesto, que ocorre desde a manhã, tenta impedir a votação do Plano de Cargos e Salários dos servidores da educação, encaminhado pelo Executivo em regime de urgência. Como o texto não contempla o que reivindica a categoria, os grevistas exigem mais tempo para discussão.

Cerca de 700 policiais militares acompanham a movimentação ao redor da Câmara. Dentro do prédio, estão 37 dos 51 vereadores – somente seis deles de oposição. Integrante dessa minoria, o vereador Renato Cinco, do PSOL, pediu ao presidente da Casa, Jorge Felippe (PMDB), o adiamento da votação do projeto, alegando falta de segurança. Felippe, que admite “erros de ambas as partes”, não acenou com possibilidade de cancelamento da sessão. O presidente da Câmara acusou os professores de tomarem atitudes “radicais e inconsequentes”, tentando paralisar os trabalhos do Legislativo, em referência à ocupação do plenário na semana passada.

LEIA TAMBÉM:

Lobão lança música contra o grupo Fora do Eixo. Ouça

Professores em greve tomam o centro do Rio

Um grande cordão de isolamento, formado por viaturas, policiais militares do Batalhão de Choque e alambrados de ferro, foi montado durante a madrugada ao redor da Câmara. Com isso, quem quer ter acesso ao prédio precisa caminhar por ruas do Centro e só tem acesso ao Palácio Pedro Ernesto pela Rua Evaristo da Veiga, onde fica o Quartel General da Polícia Militar. Mesmo os vereadores precisam se submeter às revistas e barreiras de identificação. O vereador Brizola Neto (PDT) diz ter demorado 45 minutos para conseguir entrar no prédio. “O que está ocorrendo aqui é uma votação fechada, sem acesso ao público, o que não é permitido pelo regimento da Casa”, criticou, numa tentativa de convencer a base de apoio do governo de desistir de realizar a votação.

Votação – Desde as 14h, ocorre na Câmara uma sessão ordinária. A partir das 15h, o presidente da Casa, Jorge Felippe (PMDB), poderia solicitar a abertura de uma sessão extraordinária, para iniciar a primeira votação do Plano de Cargos e Salários da educação. O texto precisa ser votado duas vezes, o que só deve ocorrer a partir das 16h, devido à lentidão dos trabalhos.

Continua após a publicidade

Rio: vereadores discutem novo plano de cargos e salários dos professores
Rio: vereadores discutem novo plano de cargos e salários dos professores VEJA

Esta manhã, a presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, vereadora Teresa Berguer (PSDB), anunciou que encaminhará ainda à tarde um ofício à mesa diretora e à presidência da Casa para solicitar a retirada do projeto do regime de urgência. “Precisamos evitar uma tragédia. Se este plano dor votado, não sabemos o que pode acontecer. O risco é grande e a presidência da Casa deve agir com responsabilidade. Não se pode botar em risco a vida das pessoas. Neste momento, o palácio (Pedro Ernesto) não oferece segurança. A votação deve ser suspensa”, afirmou. O Plano de Cargos e Salários recebeu 30 emendas, apresentadas por vereadores da base de apoio de Paes e da oposição.

Trânsito – A circulação de veículos é complicada em toda a região do Centro, com reflexos nas principais vias de acesso utilizadas por motoristas das zonas Norte e Sul. A Avenida Rio Branco está interditada e o tráfego é desviado para a Avenida Almirante Barroso.

Na noite de segunda-feira, um protesto que havia começado de forma pacífica terminou em pancadaria, com a detenção de oito pessoas. Nove policiais militares e seis manifestantes ficaram feridos, sem gravidade, e houve depredação de duas agências bancárias. Integrantes do movimento Black Bloc acabaram se apropriando do protesto. Na manhã desta terça-feira, novamente mascarados circulavam entre os professores e os servidores da Saúde, que foram para a Cinelândia levar solidariedade aos professores.

LEIA TAMBÉM:

Black blocs dominam protesto de professores no centro do Rio

Câmara Municipal do Rio amanhece cercada por policiais

Continua após a publicidade

Publicidade