Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Polícia procura filho de vereador de SP condenado por roubo

Dono de 7 CPFs, Adílson Adriano Amadeu é também acusado de promover golpes com criptomoedas

Por Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
23 fev 2023, 15h50

A Polícia Civil de São Paulo procura o advogado Adílson Adriano Amadeu, 48, filho do vereador paulistano Adílson Amadeu (União Brasil). Condenado por roubo de uma Mercedes Benz em 2008 (pertencente a um ex-sócio), ele deve ser levado à prisão, segundo decisão da Justiça do último dia 6. Amadeu não foi localizado e é considerado foragido. O vereador, que não tem ligações com esse e outros casos do filho, não quis se pronunciar.

O motivo do roubo do veículo, avaliado na época em 100.000 reais (o equivalente a 250.000 reais atualmente), foi uma briga societária. Adílson montou com outras duas pessoas uma empresa de distribuição de combustíveis, mas seus então sócios começaram a desconfiar das atitudes e idoneidade do parceiro. Quando tentou desfazer a sociedade, a dupla foi ameaçada e o acusado disse que ficaria com o carro, após sacar uma arma. Ainda sob ameaça, as duas vítimas foram obrigadas a assinar procurações, notas promissórias, cheques e contratos. Um dos sócios disse que a empreitada lhe custou 2,5 milhões de reais.

Apesar da condenação, Adílson recorreu em liberdade, mas foi preso em 2020. Logo na sequência seus advogados alegaram que ele contraiu coronavírus e possuía cardiopatia grave. Diante do quadro, a Justiça concedeu prisão domiciliar ao condenado, mas a medida foi sistematicamente descumprida. Ele também é acusado de apresentar um laudo psiquiátrico falso e de falsificar documentos de advogados que o defenderam em diversas ações.

Tanto antes quanto depois da prisão, o histórico criminal do filho do vereador Amadeu é extenso. Atualmente há uma dezena de inquéritos policiais em curso que investigam a prática de estelionato. Em um dos casos, um casal de idosos disse que vendeu um imóvel avaliado em 1 milhão de reais para aplicar em criptomoedas. A promessa foi de lucro de 50% em um ano. O dinheiro, assim como o acusado, sumiu, segundo as vítimas.

Em outro inquérito, a polícia apura a existência de sete CPFs e dois RG em nome do homem foragido. Um desses documentos teria sido usado para ele passar na prova da Ordem dos Advogados do Brasil. Segundo os investigadores, a numeração do CPF é equivale ao de uma criança de dois anos. O registro dele na ordem foi cassado.

Continua após a publicidade

Em 2020, Adílson Adriano concorreu ao cargo de vereador de São Paulo, pelo PSB, mas não conseguiu ser eleito.

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.