Polícia prende suspeitos de falsificar cheques em São Paulo

A suposta quadrilha falsificava e descontava cheques de clientes do Banco do Brasil em golpes que podem ter somado 5 milhões de reais

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 7 mar 2017, 11h32 - Publicado em 7 mar 2017, 11h25

A Polícia Civil de São Paulo cumpre 15 mandados de prisão e 18 mandados de busca e apreensão nesta terça-feira como parte de uma operação contra suspeitos de praticar estelionato na capital e em cidades do interior, assim como em localidades de outros Estados do país. Segundo a investigação, a suposta quadrilha falsificava e descontava cheques de clientes do Banco do Brasil em golpes que podem ter somado 5 milhões de reais em um período de dez meses.

Durante oito meses, a 2ª Delegacia de Investigações sobre Estelionato (DIG), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) seguiu os passos dos supostos estelionatários, suspeitos de aliciar funcionários de instituições financeiras para acessar informações completas sobre correntistas. Dessa forma, segundo relatou a polícia, a quadrilha conseguia dados cadastrais com nome, endereço, telefones, identificação de documentos e das contas, além da assinatura.

“Os golpistas contavam com um especialista que conseguia reproduzir os cheques assinados. O documento era tão bem elaborado que a própria vítima não acreditava não ser dela a assinatura”, informou por nota a polícia. Os golpes eram aplicados contando também com o “sequestro” da linha telefônica para concretização do saque.

“Eles conseguiam clonar o número do correntista. Assim quando os funcionários dos bancos ligavam para confirmar a transação eram autorizados pelos próprios suspeitos”, acrescenta a nota.

Publicidade

Os mandados foram cumpridos por cerca de 70 policiais na capital e nos municípios de Nova Odessa, Piracicaba e Sumaré. De acordo com o delegado Newton Fugita, da 2ª DIG, os suspeitos chegavam a ligar para as vítimas como funcionários de operadoras de telefonia. “Pediam para manter o telefone desligado por 46 minutos alegando uma manutenção no sistema. Nesse período conseguiam autorizar o saque do dinheiro”, explicou por nota Fugita.

O dinheiro era transformado em bens de consumo, principalmente veículos de alto padrão. Os integrantes da quadrilha responderão por estelionato e associação criminosa.

(Com Estadão Conteúdo)

 

Publicidade

 

Publicidade
Publicidade