Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Polícia prende mais, mas motoristas ainda bebem

Por Guilherme Amorozo 29 jun 2008, 09h04

A Polícia Militar de São Paulo prendeu, entre a noite deste sábado e a madrugada deste domingo, mais sete pessoas por dirigir após o consumo de bebidas alcoólicas. Em mais uma noite de intensa fiscalização por parte dos policiais envolvido na operação Direção Segura, 256 pessoas foram abordas nas ruas da capital paulista, e 106 tiveram de fazer o teste do bafômetro. Os números são semelhantes ao da madrugada anterior, quando 242 motoristas foram abordados e 142 assopraram no aparelho que mede a quantidade de bebida ingerida. Naquela noite, dez pessoas foram detidas, segundo a assessoria de imprensa da PM.

A polícia promete aumentar a fiscalização em São Paulo. Na semana que vem, a corporação vai receber 40 novos bafômetros para reforçar o cumprimento à nova Lei 11.705, que proibiu o consumo de praticamente qualquer quantidade de bebida alcoólica por condutores de veículos. Atualmente, a PM paulistana possui apenas 11 aparelhos.

O risco de ser pego dirigindo alcoolizado, entretanto, não parece intimidar os motoristas da cidade. Conforme mostram reportagens deste domingo dos dois principais jornais paulistas, O Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo, a maioria dos paulistanos que bebem e dirigem aprovam o endurecimento da lei – mas não estão dispostos a mudar de comportamento.

11 chopes – A postura pode ser resumida na declaração do técnico em telecomunicações V. M., de 30 anos, abordado pelo Estado em um bar no bairro da Vila Madalena. Após se submeter a um teste em um bafômetro descartável a pedido da reportagem, V., que bebera 11 chopes, reconheceu: “É, passei do ponto. Mas concordo com a lei, acho mesmo que vão diminuir os acidentes”, disse. “Só tomara que não me peguem hoje”, concluiu.

Algo parecido foi dito pelo industrial Celso Forni, de 61anos, abordado pela Folha em um bar do Itaim, onde chega a beber dez doses de whisky em uma noite. “A lei deveria ser mais rígida ainda. Não dá mais pra ver tanta gente sofrendo com perda de filho. Quero ser um exemplo para todo mundo”. Segundo o jornal, pouco depois de dar sua opinião, o industrial pegou o carro para ir para casa, a cerca de 15 quilômetros do bar.

Já Adriano Rodrigues, de 31anos, entrevistado em outro bar da cidade, relativizou a validade da nova lei: “Eu costumo trabalhar 32 horas seguidas e, depois, vou pra casa dirigindo. Pergunto: isso é menos perigoso do que dirigir depois de, sei lá, quatro garrafas de cerveja?” Num outro bar da mesma Vila Madalena, um freguês que não quis se identificar propôs condições à regra: ‘Seria preciso redimensionar o lazer noturno, oferecer transporte público decente pro bêbado e contar com a pré-disposição da população”, disse, segundo o jornal paulista.

A lei – Conforme determina a nova Lei 11.705, que altera o Código de Trânsito Brasileiro, a partir de agora, motoristas flagrados excedendo o limite de 0,2 grama de álcool por litro de sangue pagarão multa de 957 reais, perderão a carteira de motorista por um ano e ainda terão o carro apreendido. Para alcançar o valor-limite, basta beber uma única lata de cerveja ou uma taça de vinho. Quem for apanhado pelos bafômetros com mais de 0,6 grama de álcool por litro de sangue (equivalente três latas de cerveja) poderá ser preso.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês