Clique e assine a partir de 9,90/mês

Polícia prende mais de 50 após saques e vandalismo

Enquanto 50 mil manifestantes marcharam pacificamente até a Avenida Paulista, bandidos depredaram o centro de São Paulo e saquearam diversas lojas

Por Da Redação - 19 jun 2013, 05h15

As ondas de choque dos protestos iniciados há duas semanas foram sentidas de duas maneiras bem diversas nesta terça-feira em São Paulo. Cerca de 50 mil pessoas se reuniram na Praça da Sé no final da tarde e rumaram até a sede da prefeitura da capital. Ali, o grupo rachou. Uma turba acuou a Guarda Civil Metropolitana, depredou o edifício, incendiou um carro de TV e uma guarita da PM e saqueou lojas pelas ruas do centro. De acordo com a Polícia Civil, ao menos 56 pessoas foram detidas pelos saques e depredações. O restante, a grande maioria, guardou distância da violência e seguiu rumo à Avenida Paulista, por onde marchou pacificamente.

Leia também:

Contas do município de SP não permitem aumentar subsídio de passagens

Imprensa internacional destaca descontentamento com governantes

Continua após a publicidade

Governo envia Força Nacional para quatro estados e DF

O vandalismo que tomou conta do centro de São Paulo é certamente minoritário, mas não está desconectado da série de protestos que tomam conta do país. É subproduto de um discurso irresponsável segundo o qual o uso de força policial em manifestações é um resquício da ditadura militar. Não é, como se viu nesta terça-feira.

Vídeo: as cenas do vandalismo em São Paulo

A tentativa de tachar como ilegítima e autoritária a ação da polícia militar na quinta-feira passada – e não apenas apontar seus erros – fez com que desde ontem governadores calculassem ser mais vantajoso manter tropas “aquarteladas”, deixando cidades à mercê dos marginais. Foi assim que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro foi depredada ontem, e o centro de São Paulo varrido por uma horda nesta noite.

Continua após a publicidade

A continuação dos protestos nesta terça-feira e a promessa de novas passeatas nos próximos dias deixa os políticos aturdidos. As críticas não poupam nem governo nem oposição: um boneco incendiado em frente à prefeitura de São Paulo, representando PT e PSDB, simbolizou isso. A presidente Dilma se reuniu em São Paulo com o mentor Lula e o marqueteiro João Santana para discutir uma estratégia de resposta aos acontecimentos.

Leia mais:

Saiba como foi a terça-feira de protestos em São Paulo e no resto do país

Enquanto isso, governadores e prefeitos flertam com a irresponsabilidade, condescendendo com o abatimento irrefletido das tarifas de ônibus. Até o fim do dia, pelo menos quatro capitais já haviam reduzido tarifas de ônibus, e há outros descontos em estudo.

Continua após a publicidade

Em São Paulo, onde os protestos começaram, o prefeito Fernando Haddad admitiu nesta terça-feira que “a decisão não é técnica, é política mesmo”, deixando aberta a porta para um recuo. As contas públicas do município de São Paulo não abrem espaço para o subsídio de passagens. Alternativas para viabilizar uma redução no preço das passagens estariam nas mãos da União.

Conversa em Rede: Opine sobre os protestos

Publicidade