Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Polícia prende grupo suspeito da morte do primo de Bruno

Denúncia anônima ligou traficantes presos na sexta à execução de Sérgio Sales

Por Da Redação 25 ago 2012, 02h23

Suspeitos de envolvimento no assassinato do primo do goleiro Bruno Fernandes, Sérgio Rosa Sales, de 24 anos, podem ter sido presos por acaso nesta sexta-feira em Belo Horizonte. A prisão ocorreu durante uma operação de combate ao tráfico de drogas no bairro Minaslândia, na região norte da capital, mesmo local onde Sales morava e foi executado com seis tiros na manhã de quarta-feira.

Segundo a Polícia Militar, uma denúncia levou os policiais até uma casa que seria usada como ponto de tráfico. No local, os PMs apreenderam três revólveres calibre 38, munição e pequenas quantidades de maconha, cocaína e crack. Sete pessoas foram presas em flagrante, incluindo o proprietário do imóvel, Antônio de Oliveira Souza, de 43.

Leia também:

Assassinato de Sérgio Sales tem ‘assinatura’ de policiais

Sérgio Rosa Sales era um arquivo vivo, diz juíza do caso Bruno

Após a prisão, de acordo com a PM, a polícia recebeu nova denúncia anônima indicando que parte dos suspeitos estaria envolvida na execução de Sales. O rapaz foi morto logo depois de sair de casa em direção ao trabalho, por um homem em uma moto. Ele ainda tentou fugir, mas foi perseguido por dois quarteirões e executado no quintal de uma residência. As armas apreendidas vão ser encaminhadas para o Instituto de Criminalística da Polícia Civil para verificar se foi de uma delas que partiram as balas que mataram o primo do goleiro Bruno.

Continua após a publicidade

Sérgio Rosa Sales era um dos acusados de envolvimento no assassinato de Eliza Samudio, também de 24, ex-amante de Bruno. Ele seria levado a júri popular por sequestro, cárcere privado e homicídio triplamente qualificado da jovem e era o único acusado de participação na morte que aguardava o julgamento em liberdade. Sales havia sido solto da prisão em agosto do ano passado, após mais de um ano atrás das grades.

Entenda o caso:

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade