Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Polícia prende 14 e encontra R$ 1 mi em dinheiro em operação contra PCC

Operação mobiliza mais de 500 agentes em dezenove cidades; batizada de Jiboia, objetivo da ação é 'estrangular' a facção criminosa

Por Da Redação Atualizado em 3 Maio 2019, 14h36 - Publicado em 3 Maio 2019, 13h38

A Polícia Militar de São Paulo cumpre, nesta sexta-feira, 3, cinquenta mandados de prisão e trinta de busca e apreensão na Operação Jiboia, que mira coordenadores de facções criminosas de São Paulo, em especial do Primeiro Comando da Capital (PCC). O nome da operação é uma referência à cobra e representa o objetivo de “estrangular” a organização criminosa.

A ação desta sexta ocorre em dezenove cidades e envolve cerca de 500 policiais militares. Até o final da manhã, treze pessoas foram presas em flagrante e um adolescente foi apreendido. Os agentes encontraram 1 milhão de reais em dinheiro vivo, sete armas, quatro balanças utilizadas para pesar droga, anotações da facção, sete veículos e mais de cinquenta celulares.

A coordenação é do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MP de São Paulo. Segundo o Gaeco, parte dos alvos de mandados de prisão são direcionados a integrantes do PCC que substituíram outros que foram presos nas atividades de rua. A ação do Gaeco foi planejada após a transferência de coordenadores da facção para presídios federais, realizada no início do ano.

Entre as funções dos nomes buscados pelos policiais, estão o cadastramento de armas, recolhimento de dinheiro, realização dos julgamentos dos “tribunais do crime”, além da coordenação de inteligência.

Os acusados tinham como função o cadastramento de armas, o recolhimento de dinheiro para a organização, a realização de julgamentos dos tribunais do crime, além da coordenação de inteligência. Os mandados foram cumpridos nas cidades de São Paulo, Guarujá, Bertioga, Campinas, Sorocaba, Tatuí, Itapetininga, Ribeirão Preto, Jaboticabal, Cravinhos, Matão, São José do Rio Preto, Jales, Fernandópolis, Votuporanga, Cardoso, Tanabi, Mirassol e Barretos.

Os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, cuja pena é de três a oito anos de prisão, tráfico de drogas (cinco a 15 anos de pena), associação ao tráfico (três a dez anos de pena), sequestro e cárcere privado (dois a oito anos de pena) e lavagem de dinheiro (três a dez anos de pena).

(Com Agência Brasil)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)