Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Polícia monitora, mas não impede fuga em Pedrinhas

Quatro detentos fugiram e ainda não foram recapturados. A Secretaria de Segurança Pública admitiu que houve um "erro operacional"

Por Da Redação 6 abr 2015, 12h43

Policiais militares do Maranhão monitoravam uma ação de criminosos na madrugada deste domingo e poderiam ter evitado a fuga de quatro presos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, o mais caótico do Estado, mas não conseguiram impedir que eles escapassem. Quatro detentos fugiram do maior complexo prisional maranhense e ainda não foram recapturados. A Secretaria de Segurança Pública admitiu que houve um “erro operacional”.

Pelo menos duas horas antes, agentes da Polícia Militar já acompanhavam a ação dos oito criminosos que facilitaram a fuga dos detentos – eles receberam informações repassadas por informantes de dentro do Centro de Detenção Provisória (CDP) e avisos de que detentos combinavam com comparsas fora da cadeia, por telefone, uma forma de escapar. Um relatório do Comando de Policiamento Especializado (CPE), chamado de “Operação Pedrinhas”, documentou, em ordem cronológica, o plano de ataque dos bandidos.

Por volta das 4 horas de domingo, os presos Adeilton Alves Nunes, Ilton Carlos Martins, John Lennon da Silva Lima e John Carlos Campos Silva fugiram do CDP de Pedrinhas com a ajuda de oito criminosos, fortemente armados com fuzis e pistolas. Eles estacionaram uma caminhonete e um carro em frente ao CDP e atiraram nas guaritas de segurança. Policiais do Batalhão de Choque revidaram os disparos, mas os presidiários escalaram o muro com ajuda de uma corda. Os fugitivos também atiraram contra o posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que fica próximo a Pedrinhas – um policial foi atingido no pé.

A operação dos bandidos, no entanto, estava sendo monitorada pela PM desde as 2 horas. O documento da PM, divulgado pela TV Mirante, relata que agentes do CDP receberam uma ligação às 2h44 determinando que as guarnições ao redor do complexo de Pedrinhas redobrassem a atenção porque criminosos planejavam invadir o presídio. Às 2h58, outra ligação informou que uma caminhonete havia sido roubada. Apesar dos alertas, apenas uma patrulha estava posicionada perto do CDP e não conseguiu evitar a fuga dos presos.

Em nota, as secretarias de Estado da Administração Penitenciária e de Segurança Pública informaram que um dos veículos usados na operação foi apreendido meia hora depois pela Polícia Militar.

Em março deste ano, outros quatro homens fugiram do Presídio São Luís 2, que integra o Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Nessa mesma operação, cinco detentos tentaram deixar o presídio, mas foram contidos por agentes de segurança. Em fevereiro, o presídio já havia registrado uma primeira fuga neste ano.

O complexo prisional de Pedrinhas foi o epicentro de uma crise carcerária no Maranhão entre 2013 e 2014. Mais de sessenta presos morreram em rebeliões seguidas e assassinatos isolados nas celas das penitenciárias. Os órgãos de segurança atribuíram as mortes a uma guerra entre facções criminosas com métodos de barbárie, como a decapitação de rivais. A Polícia Civil só conseguiu esclarecer uma parte ínfima dos assassinatos. A crise carcerária foi uma das pautas eleitorais no ano passado e influenciou na perda de popularidade da então governadora Roseana Sarney (PMDB). Seu grupo político perdeu as eleições após quase 50 anos no comando do Estado.

(da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês