Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Polícia Militar do Rio troca comando da UPP da Rocinha

Situação de Edson Santos teria ficado insustentável após sumiço de Amarildo

Por Da Redação - 29 ago 2013, 16h20

Um mês e meio após o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, o comandante da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), coronel Frederico Caldas, anunciou que vai trocar o comando da UPP da Rocinha. A versão oficial da PM é que a saída do major Edson Santos faz parte de uma grande mudança que atingirá os comandos de todas as unidades.

Nos bastidores, porém, comenta-se que o sumiço do morador da Rocinha – visto pela última vez no dia 14 de julho sendo levado por agentes da unidade – tornou a permanência do major insustentável. A polícia não anunciou o nome do substituto, que chegará à função com uma missão urgente: recuperar a desgastada imagem da UPP. A troca, mesmo que tardia, seria uma tentativa de amenizar o grito das ruas, que a cada novo protesto cobra explicações para o caso.

A Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil trabalha com duas hipóteses: Amarildo teria sido assassinado por PMs ou por traficantes. Quatro soldados da UPP da Rocinha são investigados – todos foram afastados e estão cumprindo funções administrativas. Em depoimento, o major Edson afirmou que Amarildo foi liberado, na noite de 14 de julho, após prestar depoimento. Mas as câmeras da sede da UPP, que poderiam comprovar a versão do comandante, estavam quebradas.

Leia também:

Publicidade

Justiça recusa pedido para declarar morte de Amarildo

PM que deteve pedreiro Amarildo já havia sido denunciado por agressão

Carro da PM que transportou Amarildo circulou pela cidade após desaparecimento

Publicidade