Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Polícia identifica mais três vítimas do ‘Monstro da Alba’

Pintor Jorge Luiz Morais de Oliveira, de 41 anos, foi preso no mês passado depois que seis corpos foram encontrados na sua casa

Por Nicole Fusco 24 nov 2015, 14h44

A polícia identificou mais três corpos recolhidos na casa do serial killer Jorge Luiz Morais de Oliveira, de 41 anos, no fim do mês de setembro. O “Monstro da Alba”, apelido dado ao criminoso em referência à favela onde morava, na Zona Sul de São Paulo, foi preso em outubro depois que seis corpos foram descobertos enterrados na residência. Outros dois corpos já haviam sido identificados anteriormente pela perícia.

Além de Carlos Neto Alves Junior, de 21 anos, e de Renata Cristina Pedrosa Moreira, de 33, que já tinham sido identificados, os outros três corpos são de Natasha Silva Santos, vendedora de livros, Paloma Aparecida dos Santos, de 21 anos, e Andreia Gonçalves Leão, 20 anos, a Baianinha. “As vítimas foram formalmente identificadas por exames específicos de ortodontia, que analisa a arcada dentária”, disse a delegada do 35ª DP (Jabaquara), Nilze Scapulatiello. Dois restos de material humano ainda aguardam identificação.

Leia mais:

‘Monstro da Alba’ agia há pelo menos um ano

‘Solícito de dia e matador de noite’, diz delegada sobre Monstro da Alba

Oliveira continua preso no 77º DP, em Santa Cecília, na região central da capital paulista. Após o resultado dos laudos médicos, no fim da semana passada, a política entrou com um pedido na Justiça para converter sua prisão temporária em preventiva.

Em depoimento à Polícia Civil, no mês passado, Oliveira confessou ter assassinado quatro pessoas, de acordo com seu advogado, André Nino. O defensor disse que ele não soube identificar as vítimas nem conseguiu lembrar o motivo pelo qual cometeu os crimes. “Todos os crimes ocorreram sob efeito de álcool e drogas, por isso ele não se recorda da forma como aconteceram”, disse.

Oliveira é ex-presidiário e cumpriu 20 anos de prisão por homicídios anteriores. Ele deixou a cadeia em dezembro de 2013. Antes disso, ele também se envolveu em uma rebelião no presídio em Avaré (SP).

Continua após a publicidade
Publicidade