Clique e assine a partir de 9,90/mês

Polícia Civil reabre investigações do caso Matsunaga

Ministério Público suspeita de que uma terceira pessoa possa ter ajudado Elize Matsunaga a esconder o corpo do marido, em maio de 2012

Por Da Redação - 18 abr 2015, 18h05

A Polícia Civil de São Paulo reabriu as investigações do assassinato do empresário Marcos Kitano Matsunaga, ocorrida em maio de 2012, para verificar se a autora confessa do crime, a bacharel em direito Elize Matsunaga, teve a ajuda de uma terceira pessoa para tentar ocultar o corpo esquartejado. A reabertura do caso foi divulgada na edição deste sábado do jornal Agora São Paulo.

Leia também:

MP quer levar Elize Matsunaga a júri popular até setembro

Fotos de Matsunaga esquartejado vazam na internet

Continua após a publicidade

Elize e Marcos, herdeiro do grupo Yoki, eram casados e o crime teria acontecido durante uma discussão. Após atirar no marido, então com 42 anos, Elize esquartejou o corpo de Matsunaga, o carregou em malas e o despejou em terrenos de Cotia, na Região Metropolitana de São Paulo. Embora tenha confessado o crime, a bacharel sempre negou a participação de outras pessoas no assassinato.

De acordo com informações da Secretaria da Segurança Pública (SSP), o pedido de abertura de novo inquérito policial foi feito pelo Ministério Público. As novas investigações estão sendo conduzidas pela equipe B Sul da Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). Elize Matsunaga está presa na penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo, à espera de julgamento.

Câmeras de segurança mostra o executivo da Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, no elevador do prédio onde morava
Câmeras de segurança mostra o executivo da Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, no elevador do prédio onde morava VEJA

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade