Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Polícia Civil pode resolver sozinha caso Marielle, diz delegado

Rivaldo Barbosa, que assumiu o comando da polícia nesta semana, admite que receberá ajuda de outras instituições

Por Estadão Conteúdo
Atualizado em 4 jun 2024, 16h38 - Publicado em 15 mar 2018, 16h25

O chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, delegado Rivaldo Barbosa, defendeu, nesta quinta-feira, a capacidade do órgão que comanda para investigar sozinho o caso do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL). Ele foi questionado sobre o fato de o presidente Michel Temer (MDB) e o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, terem oferecido ajuda da Polícia Federal para apurar o caso.

“Nós temos nossos protocolos estabelecidos. Quem quiser nos ajudar, receberemos a ajuda, de qualquer instituição. Entretanto, quero dizer que a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro tem capacidade para resolver esse caso”, disse.

A declaração foi dada depois de uma audiência com o deputado estadual Marcelo Freixo, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), e com os delegados Fábio Cardoso e Gineton Lages. Cardoso assumiu a direção das delegacias de homicídio na nova gestão da polícia.

O delegado Rivaldo Barbosa definiu o caso do assassinato da vereadora como “extremamente grave”. “Atenta contra a dignidade da pessoa humana e atenta contra a democracia”, completou.

Na noite desta quarta-feira, após deixar um evento sobre a morte de mulheres negras, Marielle Franco foi morta com quatro tiros disparados a partir de um carro pareado ao seu, sem que nada tenha sido levado do local. Hoje, a polícia só trabalha com uma tese de investigação: execução. Junto com ela, morreu também seu motorista, Anderson Pedro Gomes, de 39 anos.

Continua após a publicidade

‘Morte inaceitável’

Marcelo Freixo disse que a morte de Marielle, que defendia o direito de minorias, “não é aceitável em lugar nenhum do mundo”. “O caso da Marielle é de um atentado à democracia. É bom deixar claro isso. Não significa que a vida da Marielle valesse mais do que a vida de qualquer pessoa, não é nada disso. Quem matou a Marielle matou a possibilidade de uma mulher negra, que nasceu na favela da Maré, que era feminista, de estar na política. E isso não é aceitável em lugar nenhum do mundo”, sustentou.

Freixo também criticou quem diz que os defensores dos direitos humanos defendem bandidos ou atacam a polícia. “É importante que se diga isso: o trabalho da Comissão de Direitos Humanos não é um trabalho contra a polícia”, afirmou. “Denunciar policiais que cometem crimes não é um trabalho contra a polícia.”

Freixo voltou a afirmar que Marielle Franco não vinha sofrendo ameaças. Ele disse ainda que as denúncias que ela vinha fazendo sobre abusos de policiais militares não tinha nenhum nome específico. E repetiu: “A gente não pode achar que polícia se mistura com o crime, e nem que direitos humanos defende bandido. Ninguém ganha com isso”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.