Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PMDB deve aderir à candidatura de Patrus em BH

Por Marcelo Portela

Belo Horizonte – Novos arranjos para a disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) mudaram drasticamente o quadro que parecia já definido na semana passada. Depois de lançar candidatura própria em parceria com o PDT, o PMDB deve aderir à candidatura do ex-ministro Patrus Ananias (PT). Já o prefeito Marcio Lacerda (PSB) disputará a reeleição com o deputado estadual Délio Malheiros (PV) como vice. Malheiros foi um dos maiores opositores de Lacerda durante toda a gestão do socialista e havia se lançado candidato com discurso recheado de duras críticas ao prefeito.

Porém, o parlamentar do PV tinha a candidatura avalizada pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), que passou a comandar a campanha do PSB após a saída do PT da aliança, e, segundo informação de um dos dirigentes do PSDB local, atendeu determinação do tucano para se aliar ao até então adversário. O anúncio da parceria foi feito na noite desta quarta, na sede do PV em Belo Horizonte, ao lado do prefeito.

Do lado petista, o dia também foi de intensas negociações, mas em Brasília, onde se reuniram o vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, o presidente do diretório mineiro da legenda, deputado federal Antônio Andrade, e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o petista Fernando Pimentel. O objetivo era costurar uma aliança do PT com os peemedebistas, que já haviam lançado a candidatura do deputado federal Leonardo Quintão com o ex-deputado Mário Heringer (PDT) como vice.

Na avaliação de Antônio Andrade, com a saída do PT da aliança em torno de Lacerda, a disputa municipal foi “nacionalizada” com a polarização entre a candidatura petista e a do prefeito, capitaneada pelo PSDB. “Outros candidatos também já retiraram seus nomes. Não faria sentido manter a candidatura”, afirmou, referindo-se a Délio Malheiros. “O PMDB e o PT são parceiros. Caminharemos juntos agora, assim como caminharemos juntos daqui a dois anos”, acrescentou.