Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

PM afasta 8 policiais participantes da ação que resultou na morte de menino

Após abertura de dois inquéritos, os investigadores não negam a hipótese de que Eduardo foi atingido em meio a um tiroteio

Por Da Redação 7 abr 2015, 17h05

Foram afastados de suas atividades oito policiais militares que participaram da ação no Complexo do Alemão em que morreu o estudante Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos. De acordo com o representante da Coordenadoria de Polícia Pacificadora, major Marcelo Corbage, parte dos agentes era lotada na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) e outra parte no Batalhão de Choque.

Ao todo, onze policiais já foram interrogados na Delegacia de Homicídios sobre a ação policial que matou o menino. “Estamos em um momento difícil”, disse Corbage. “A solução só se dá com apoio de todos, com a população residente, com as forças de segurança e com as autoridades”.

Leia mais:

Três morrem em tiroteios no Alemão

Inquérito vai apurar ação de PMs que resultou em morte

Moradores do Complexo do Alemão fazem novo protesto

Polícia Militar vai reocupar Complexo do Alemão

Continua após a publicidade

Em paralelo às investigações da Polícia Civil, foi aberto um inquérito policial militar para apurar o envolvimento dos PMs que participaram da ação na morte do menino Eduardo.

No total, dezesseis pessoas já prestaram depoimento à Polícia Civil no caso. Segundo o titular da Delegacia de Homicídios da capital fluminense, delegado Rivaldo Barbosa, outros policiais militares serão ouvidos, e alguns poderão prestar um segundo depoimento.

O delegado afirmou que será feita uma reconstituição conjunta dos eventos que levaram à morte de Eduardo, no Complexo do Alemão, depois que os pais do garoto voltarem do Piauí, onde o corpo do estudante foi enterrado na segunda-feira. Também vai ser reconstituído o assassinato de Elizabeth de Moura Francisco, de 40 anos, que também morreu no Complexo do Alemão.

“Vamos nos empenhar para dar uma resposta”, disse o delegado, que se reuniu nesta terça-feira com lideranças comunitárias do Complexo do Alemão.

Barbosa ainda afirmou que a Polícia Civil coletou algumas cápsulas de projéteis no local do crime, que serão analisadas na investigação.

Os responsáveis pelo inquérito não descartam a hipótese de que tenha havido um tiroteio no momento em que Eduardo foi atingido. A mãe dele, Terezinha Maria de Jesus, de 40 anos, garante que o filho foi baleado por um policial militar – e que saberia reconhecer o autor do disparo.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês