Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Pilotos, copilotos e comissários de voo desistem de greve

Categoria aceitou acordo com as empresas após assembleia realizada em cinco estados

Por Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro 19 dez 2013, 16h29

Pilotos, copilotos e comissários de voo decidiram cancelar a greve que ameaçavam iniciar nesta sexta-feira – com risco de provocar um novo caos aéreo diante do intenso movimento nos aeroportos para as festas de fim de ano. A categoria realizou assembleias em cinco estados nesta quinta-feira (Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Rio Grande do Sul e Minas Gerais) e a maioria aceitou o acordo proposto pelas empresas aéreas.

Leia também:

Dilma aprova a construção do Nasp – o 3º aeroporto de SP

Alegando dificuldades financeiras, as companhias ofereceram reajuste salarial de 5,6% – que já havia sido recusado em ocasiões anteriores. A categoria afirmava que a proposta não representava um ganho real. Agora, segundo José Adriano Castanho, vice-presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), a conquista mais importante se refere às chamadas cláusulas sociais.

“Não conseguimos o reajuste de 8% que pedimos, mas avaliamos que as conquistas sociais foram importantes. Se nós não aceitássemos a proposta, poderíamos discutir o reajuste na justiça, mas não teríamos a garantia dos benefícios”, afirmou Castanho.

Continua após a publicidade

Leia ainda:

Governo admite que ano foi difícil para companhias aéreas

Entre os benefícios conquistados está o passe livre, ou seja, o aeronauta poderá viajar gratuitamente por qualquer companhia aérea e não apenas pela qual trabalha. Além disso, o banco de horas será extinto. Qualquer tempo de trabalho fora da jornada normal será revertido em pagamento de hora extra. O valor concedido no vale alimentação dos trabalhadores também será reajustado. A categoria também garantiu estabilidade nos três anos anteriores à aposentadoria. Ou seja, pilotos, copilotos e comissários de voo não podem ser demitidos nos três anos que antecedem a aposentadoria.

Leia mais:

BNDES aprova empréstimos de R$ 4,2 bi para aeroportos

Aeroportos da Infraero terão novas regras comerciais

Continua após a publicidade
Publicidade