Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Piloto do voo 447 da Air France teria tentado retornar com a aeronave ao Brasil

O piloto do Airbus da Air France que fazia o voo Rio-Paris e caiu em 1º de junho de 2009 no Atlântico, com 228 pessoas a bordo, pode ter tentado retornar ao Brasil pouco antes da aeronave ter caído no mar. Segundo informações da edição desta sexta-feira do jornal francês Le Fígaro, a hipótese foi levantada com base na localização da área onde estão as caixas-pretas do avião.

O Ministério da Defesa da França anunciou na quinta-feira que seus especialistas puderam determinar uma zona com uma incerteza de três milhas náuticas (cinco quilômetros) do local onde os equipamentos estariam. “Isto não significa que vamos encontrar as caixas-pretas, porque elas já não emitem sinal e porque a zona em que se encontram é muito acidentada”, explicou o general Christian Baptiste, porta-voz adjunto do ministério da Defesa.

Uma fonte do governo disse ao Le Fígaro que, se for confirmado que o aparelho caiu nessa área, cerca de 40 quilômetros a sudoeste de sua última posição conhecida, “significaria que o avião estava perdido e, conforme os procedimentos em vigor, deu meia volta para sair de uma zona de nuvens cumulus nimbus [causadoras de tempestades] para voltar ao Brasil”.

Ainda segundo o jornal, a confirmação dessa informação significaria também que o navio Seabed Worker, contratado pelo Escritório de Investigações e Análises (BEA, na sigla em francês) para realizar as buscas, teria trabalhado inutilmente em março, porque procurava pelas caixas-pretas no local errado. Segundo anunciou o próprio BEA, o navio vai realizar, a partir desta sexta-feira, buscas no novo perímetro delimitado.

Sinais – Uma fonte do Escritório de Investigações e Análises (BEA, na sigla em francês), responsável pelas investigações técnicas da tragédia do voo 447, afirmou que a informação precisa ser “verificada e validada pelas equipes nos navios que estão na zona de busca”. “Ao que parece, o ministério da Defesa trabalhou com imagens obtidas durante a primeira etapa das buscas, quando os registros de voo ainda emitiam um sinal”, detalhou, informando que isso pode ter acontecido entre o início de junho e meados de julho de 2009.

As caixas-pretas, que contêm as informações técnicas e as últimas conversas da tripulação, emitem sinal de 30 a 42 dias. Até o momento, o BEA considera que o mau funcionamento das sondas Pitot (sensores de velocidade) do avião é um dos fatores que provocaram o acidente, mas as caixas-pretas são essenciais para determinar as causas. Segundo o Escritório de Pesquisas e Análises da França,as buscas serão estendidas até 25 de maio.