Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Piada vira pedra no sapato de candidato do PMDB ao governo gaúcho

À frente nas pesquisas de intenções de voto, José Ivo Sartori, em entrevista, ironizou reivindicação dos professores que exigem o piso salarial no Estado

Por Da Redação 22 out 2014, 10h05

Uma piada se tornou dor de cabeça para a campanha de José Ivo Sartori (PMDB) ao governo do Rio Grande do Sul. Colocado a frente do rival e candidato a reeleição, Tarso Genro (PT), nas pesquisas de intenções de voto, o peemedebista pediu desculpas publicamente nesta terça-feira após ter dito em entrevista que os professores que exigem o pagamento do piso salarial no Estado devem ir buscá-lo na Tumelero, uma tradicional loja de construção gaúcha.

Leia também:

Servidora de banco público usou e-mail institucional a favor do PT

No debate entre Tarso e Sartori no RS, sobrou até para as mães

Em reação à fala do ex-prefeito de Caxias do Sul, foram criados memes na internet e mobilizados protestos do sindicato dos professores no Estado. Na entrevista, concedida ao portal Terra e publicada nesta segunda-feira, Sartori abusou do bom humor para depois criticar a política educacional de Genro. “Eu fui lá no CPERS – Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul – e não assinei o documento exigindo um compromisso de pagar ou resgatar o salário, vamos dizer… como é que diz mesmo? O piso! O piso eu vou lá no Tumelero e eles dão um piso melhor, né?”, disse.

O CPERS, filiado à Central Única dos Trabalhadores (CUT), entidade sindical tradicionalmente alinhada politicamente a PT, emitiu nota de repúdio à fala de Sartori. “Acreditamos que esse tema não deve ser objeto de chacota ou brincadeiras por conta de quem tem a responsabilidade de propor alternativas para qualificar a nossa educação”.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, aliados de Sartori acusaram o PT de usar a fala de Sartori fora do contexto e promover baixaria. “Foi uma manipulação, que é a especialidade deles. Distorceram as palavras”, disse ao jornal o vice-prefeito de Porto Alegre, Sebastião Mello, e coordenador da campanha de Sartori.

Continua após a publicidade
Publicidade