Clique e assine a partir de 9,90/mês

PF amplia ação contra venda de lotes da reforma agrária

Fazendeiros aliciam e ameaçam parceleiros para obter lotes de 100 hectares, com o objetivo de concentrar terras da União. Fraude pode alcançar R$ 1 bi

Por Da Redação - 27 nov 2014, 09h44

A Polícia Federal deflagrou na madrugada desta quinta-feira a Operação Terra Prometida, que investiga a venda ilegal de lotes distribuídos por meio da reforma agrária no Estado do Mato Grosso. Há investigados também no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.

De acordo com a Polícia Federal, foram emitidos pela Justiça Federal 52 mandados de prisão preventiva, 146 de busca e apreensão e 29 de medidas proibitivas nos municípios de Cuiabá, Várzea Grande, Nova Mutum, Diamantino, Lucas do Rio Verde, Itanhangá, Ipiranga do Norte, Sorriso, Tapurah e Campo Verde.

Os crimes investigados são de invasão de terras da União contra o meio ambiente, fraudes em documentos, corrupção ativa e passiva. O inquérito foi instaurado em 2010 e, entre os alvos, estão oito servidores públicos.

Segundo a PF, com o objetivo de se obter a reconcentração fundiária de terras da União destinadas à reforma agrária, fazendeiros, empresários e grupos do agronegócio faziam uso de sua influência e poder econômico para aliciar, coagir e ameaçar parceleiros para obter lotes deles de 100 hectares, cada um avaliado em cerca de 1 milhão de reais.

Continua após a publicidade

“Com ações ardilosas, uso da força física e até de armas, compravam a baixo preço ou invadiam e esbulhavam a posse destas áreas. Em seguida, com o auxílio de servidores corrompidos do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), integrantes de entidades de classe, servidores de Câmaras de Vereadores e de Prefeituras Municipais buscavam regularizar a situação do lote”, diz a PF em nota sobre a operação.

Leia também:

Ação da PF prende auditores suspeitos de desviar R$ 1 bi

Nas investigações, os agentes constataram que o esquema era operado, em síntese, por meio de pessoas ligadas ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Itanhangá/MT e ao serviço social da Prefeitura Municipal de Itanhangá/MT, que elaboravam listas com nomes de “laranjas” que, em nome de empresários e fazendeiros, falsificavam “cartas de desistência” e Declaração de Aptidão ao Incra.

Continua após a publicidade

Ainda segundo a PF, os servidores do Incra realizavam “vistoria fictícia” para comprovar a posse dos “laranjas”, que, após cadastrados no Sipra, eram homologados e imitidos na posse. Entretanto, quando o documento do Incra era emitido, o fazendeiro já estava ocupando e produzindo nas parcelas reconcentradas.

De acordo com dados preliminares, estima-se que oitenta fazendeiros estão obtendo ilegalmente cerca de 1.000 lotes da União, sendo que o maior latifundiário reconcentra 55 lotes, e o menor, cinco lotes. A fraude pode alcançar o montante de 1 bilhão de reais, em valores atualizados.

A operação conta com cerca de 350 policiais federais. O nome da operação – Terra Prometida – remete à promessa de terras feita por Deus ao povo escolhido.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade