Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

PF abrirá novo inquérito para investigar o caso Marielle

Polícia irá apurar se houve envolvimento de agentes públicos e milicianos em ações para impedir a solução do caso

Por Reuters 1 nov 2018, 18h30

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta quinta-feira (1º) que determinou, a pedido da procuradora-geral da República, a abertura de um inquérito pela Polícia Federal para investigar acusações que apontam o envolvimento de agentes públicos e milicianos em ações para impedir a apuração dos assassinatos da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista dela, Anderson Gomes, em março.

As acusações foram feitas em depoimentos prestados a procuradores da República, disse Jungmann. O ministro anunciou que o novo inquérito vai apurar a prática dos crimes de organização criminosa, coação no curso do processo, fraude processual, favorecimento pessoal, patrocínio infiel, exploração de prestígio, falsidade ideológica, outras falsidades e eventual crime de corrupção relacionados aos dois assassinatos. Segundo o ministro, as acusações são “gravíssimas” e têm de ser apuradas.

Um dos depoimentos foi tomado há pouco mais de um mês, e o segundo, entre 15 e 20 dias atrás. Segundo o ministro, os depoentes terão direito à proteção policial e não há prazo para a conclusão do inquérito da PF. Até o momento, o assassinato de Marielle e Anderson foi conduzido exclusivamente pelo Ministério Público Estadual do Rio e pela Polícia Civil fluminense.

O ministro disse que o MPE vai continuar levando adiante a apuração da morte. Já o MP Federal será responsável por investigar se houve atuação de pessoas para impedir que fosse descoberto o mandante do crime.

A Procuradoria-Geral da República chegou a avaliar, no início das apurações, a federalização das investigações, lembrou Jungmann, mas houve um movimento da MP do Estado do Rio, que obteve uma liminar do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que lhe garantiu a competência para conduzir essa investigação.

O ministro disse que essa nova frente de investigação também poderá ajudar, de alguma forma, na elucidação do caso. “É um crime que, sem sombra de dúvida, fere a democracia”, disse. “Não recomeça do zero (a investigação), porque vai ter duas apurações correndo em paralelo.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)