Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Pezão (PMDB) e Crivella (PRB) vão para o 2º turno no Rio

O atual governador obteve 40,5% dos votos válidos, contra 20% de Crivella

Por Da Redação - 5 out 2014, 20h29

O atual governador do Rio de Janeiro, Luiz Eduardo Pezão (PMDB), vai enfrentar no segundo turno, no próximo dia 26, o candidato Marcelo Crivella (PRB). Com mais de 99% das urnas apuradas, Pezão recebeu 3.235.433 votos, superando 40,5% dos votos válidos. Crivella obteve 20,2% dos votos válidos. Garotinho (PR) ficou em terceiro, com 19,7% dos votos válidos. A diferença entre Crivella e Garotinho foi de menos de 43.000 votos. O petista Lindberg Farias, quarto colocado, não atingiu 10% dos votos válidos.

Com quatro candidatos competitivos no início da campanha, o pleito fluminense foi um dos mais concorridos. Pezão, que assumiu o governo após a renúncia de Sergio Cabral, em abril deste ano, saiu da terceira posição nas pesquisas de opinião, em meados de agosto, para fechar o primeiro turno liderando nas urnas. Confiante, o governador já falou sobre seus planos para a segunda etapa da disputa ao registrar seu voto em Piraí, no sul do Estado. “Hoje à noite mesmo já vou começar a trabalhar nas alianças”, disse. Se vencer, Pezão confirma o Rio de Janeiro como o principal Estado administrado pelo PMDB.

Crivella também mostrou-se confiante ao votar, falando em fechar aliança com Garotinho e Lindbergh no segundo turno. “Não é possível o nosso estado ter 20 anos de PMDB”, afirmou Crivella, pouco depois de votar em Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro.

O deputado federal Romário (PSB) foi eleito senador com mais de 4 milhões de votos, superando 63% dos votos válidos. Sua permanência em Brasília até o final do mandato, no entanto, é incerta. Ele não esconde a intenção, boicotada pela antiga cúpula do PSB em 2012, de concorrer à Prefeitura do Rio em 2016. Mesmo assim, Romário disse, sem muita convicção, que pretende cumprir o mandato: “Espero cumprir estes oito anos e fazer um mandato histórico aqui para o Rio de Janeiro. Meus oito anos no Senado serão em alto nível”, disse o ex-jogador.

Publicidade

Leia também:

Eleições têm 80 candidatos presos e mais de 3.000 ocorrências

Eleitores são impedidos de ir às urnas porque outros já haviam votado em seu lugar

Publicidade