Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pesquisa: solidão bateu forte em grande parte dos brasileiros na pandemia

Com a vida social limitada, sentimento dominou algumas pessoas. A boa notícia é que elas estão lutando contra a angústia e se reinventando

Por Duda Monteiro de Barros, Ricardo Ferraz
Atualizado em 23 abr 2021, 10h07 - Publicado em 22 abr 2021, 19h55

Em boa companhia

“No início da quarentena, me recusei a ficar sozinho e fui para a casa dos meus pais. Mas resolvi voltar e encarar meus medos. Acabei aprendendo a ficar só e muito bem acompanhado, devorando filmes e livros e ouvindo música sem parar.”
Rene do Amaral, 51 anos, professor de teatro

Aquela sensação de casa silenciosa, vazia, onde o solitário morador vive em seu próprio palácio, com a liberdade no sentido mais pleno, é uma ideia que encanta as novas gerações mundo afora. Tanto assim que a cada ano cresce o número de domicílios com um único residente, fenômeno global impulsionado pela busca da individualidade, uma marca desses tempos. Mas eis que veio a pandemia e abalou os pilares, fazendo com que uma parcela desses seres independentes, agora forçados ao isolamento, se visse pela primeira vez mergulhada na mais pura solidão. Com a rotina social restrita, abriu-se uma fresta para o vácuo, o que obrigou os assolados por essa condição humana a olhar para si mesmos como nunca antes. Desencadeou-se então, para muitos, um processo de autoconhecimento que o poeta francês Charles Baudelaire (1821-1867) definiu como oportunidade: “Quem não sabe povoar sua solidão também não saberá ficar sozinho em meio à multidão”, escreveu.

O grupo dos que vêm experimentando a solidão na pandemia não é pequeno nem localizado em um ponto específico do globo. Segundo uma pesquisa internacional do Instituto Ipsos, realizada em 28 países com o objetivo de aferir os impactos da crise na vida das pessoas, encontram-se solitários por toda parte. Em nenhum lugar, porém, eles são tão incidentes quanto no Brasil, onde a metade dos entrevistados declarou ser frequentemente acometida por esse sentimento — seguido de Turquia (46%) e Índia (43%). Uma explicação para a dianteira brasileira tem a ver com o perfil expansivo e sociável de seu povo, algo que remete às raízes da própria identidade nacional. “Perder esse contato humano pode acabar desestruturando as pessoas em um país onde ele é tão intenso”, afirma a psicóloga Paula Peron, da PUC de São Paulo. Mais um fator conspira para exacerbar a solidão em uns cantos do planeta e atenuá-­la em outros. “Nos países que apresentam uma melhor gestão da pandemia, a população se vê mais amparada, portanto menos solitária”, avalia Marcos Calliari, CEO do Ipsos. É o caso de holandeses e alemães, entre os últimos no ranking dos que se sentem sós (veja o quadro).

Continua após a publicidade

arte Solidão

Para seguir adiante sem a vida de encontros de antes, seja no trabalho, seja entre amigos, a turma do eu-sozinho começou a traçar estratégias de sobrevivência. Em um primeiro momento, a estudante de arquitetura Júlia Grangeiro, 21 anos, que havia recém-concretizado o sonho de sair da casa dos pais, regressou ao ninho para escapar do isolamento em tempo integral. Conforme a situação se esticava, porém, ela achou que era hora de voltar a seu apartamento, em Copacabana, no Rio de Janeiro. “Sempre me vi preenchida por amizades e a vida social fora de casa, mas, de repente, me senti sem afeto e isso me fez muito mal”, conta Júlia, que, como outros que vivem sós, diz que foi aprendendo a direcionar os ventos a seu favor. Riscou um projeto de reforma para seu imóvel, renovando o quintal, e matriculou-se na natação, uma chacoalhada nos hábitos que ganha escala e faz mover vários setores da economia. Em plena crise, a venda de livros, por exemplo, subiu 20% nos primeiros meses do ano, enquanto a indústria do bem-estar deve crescer 10%, segundo as projeções.

Júlia Grangeiro, 21 anos, estudante de arquitetura -
Júlia Grangeiro, 21 anos, estudante de arquitetura – (Ricardo Borges/VEJA)

Adeus, tristeza

“Tenho um histórico de depressão, e o isolamento me deixou para baixo. Antes, encontrava conforto nos amigos e nas baladas, e de repente precisei preencher minha vida de outra forma. Reformei o apartamento e comecei a fazer natação. Foi um reencontro comigo mesma.”
Júlia Grangeiro, 21 anos, estudante de arquitetura

A solidão em seu sentido mais profundo e dolorido, aquela que ataca a alma, deve ser combatida com todo o empenho, sustentam os especialistas. Ela está associada a stress, ansiedade, depressão e outros transtornos que avançaram na pandemia. Um estudo recente da University College de Londres, na Inglaterra, indica que uma saída para começar a romper com a angústia do isolamento é buscar o calor humano mesmo a distância, em videoconferências ou no velho e bom smartphone. “A privação da convivência produz no cérebro o mesmo tipo de resposta biológica da falta prolongada de alimentos”, compara a psicóloga Julianne Holt-Lunstad, da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos. O produtor cultural Jomas Monteiro, 50 anos, experimentou na pele a alteração fisiológica desencadeada pelo cenário pandêmico: ficou sem emprego, sem namorada e, com diagnóstico de depressão, brigou para não se afundar no poço da solidão — e conseguiu. “Ingressei em um curso de marketing digital para me atualizar e até pão aprendi a fazer”, orgulha-se da reviravolta.

Continua após a publicidade

Ao encarar a solidão e enxergá-la de forma menos pessimista e mais produtiva, as pessoas a transformam em “solitude”, termo de origem anglo-saxã absorvido pelos dicionários da psicologia. Em bom português, é como fazer do limão uma limonada. “A atividade intelectual, a religião, a prática esportiva são maneiras de preencher as lacunas abertas pela ausência do convívio, já que funcionam como uma janela para o mundo exterior”, afirma o psicólogo Rafael Baioni, autor de uma tese de doutorado sobre o tema. Grandes nomes da história egressos das mais diversas áreas deixaram exemplos contundentes de como extrair da solidão combustível para a engenhosidade humana. Precursor do expressionismo, o pintor norueguês Edvard Munch estava solitário e se recuperando da gripe espanhola, no início do século XX, quando arranjou forças para produzir a famosa tela Autorre­trato com Gripe Espanhola, inspirado na própria convalescença. Antes dele, em meio a uma epidemia de peste bubônica que tomou Londres no século XVII, William Shakespeare também isolou-se e veio a reaparecer para o mundo com algumas de suas obras-primas (veja este e mais exemplos abaixo).

Uma leitura da obra do psicanalista francês Jacques Lacan (1901-1981) lança luz sobre caminhos para espantar o mal da solidão — e ele passa pela busca de atividades que conversem com “o imaginário e o simbólico” de cada um. Em suma, é achar algo que realmente desperte o interesse e soe renovador. Podem ser iniciativas bastante simples, dentro do plano do possível, como relata o professor de teatro Rene do Amaral, 51 anos, que encontrou nas artes diversão constante e alimento para o cérebro. Ele ouve música, lê uma montanha de livros, vê filmes sem parar —e tem passado bons momentos consigo mesmo imerso nesse rico universo. “A quarentena me provou que cultura e arte são como o oxigênio”, diz ele, que, aliás, já não se sente mais tão só. Na verdade, em sua reclusão, o professor anda é muito bem acompanhado.

Isolados e produtivos

Grandes figuras da história se viram às voltas com a clausura e a solidão e conseguiram converter os tempos sombrios em alimento para a inventividade nas mais diversas áreas

Continua após a publicidade
William Shakespeare (1564-1616) -
William Shakespeare (1564-1616) – (Roger Viollet/AFP)

William Shakespeare (1564-1616)
A peste bubônica assolava Londres e o escritor inglês teve de cumprir um rigoroso lockdown. Desse período, deixou como legado para a humanidade as obras-primas Rei Lear e Macbeth

Isaac Newton (1642-1727)
Isaac Newton (1642-1727) – (Fine Art Images/Heritage Images/Getty Images)

Isaac Newton (1642-1727)
Em outro surto de peste bubônica, o cientista inglês se viu recluso e passava o tempo brincando com uns prismas. Extraiu daí ideias para suas primeiras teorias no campo da óptica

Frida Kahlo (1907-1954) -
Frida Kahlo (1907-1954) – (Courtesy the Gelman Collection/.)

Frida Kahlo (1907-1954)
Após sobreviver a um acidente de ônibus, aos 18 anos, a pintora mexicana não podia nem sair da cama. Descobriu as artes e produziu, deitada, um de seus famosos autorretratos

Continua após a publicidade

Com reportagem de Tatiana Abreu

Publicado em VEJA de 28 de abril de 2021, edição nº 2735

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.