Clique e assine a partir de 9,90/mês

Pazuello ganha mais que os antigos titulares da Saúde, Mandetta e Teich

Ministro interino quase dobrou seus rendimentos após assumir o cargo no primeiro escalão do governo

Por Mariana Zylberkan - Atualizado em 19 jun 2020, 12h19 - Publicado em 19 jun 2020, 12h14

O ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, quase dobrou seus rendimentos após assumir o cargo no primeiro escalão do governo Bolsonaro. No Exército, recebia apenas o soldo de 29.534,52 reais brutos. Hoje, ganha 39 200 reais, também em valores brutos. Curiosamente, mesmo como interino, embolsa salário maior do que o dos seus antecessores, que eram titulares da pasta. Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich tinham um contra-cheque de 30.934,70 sem as deduções.

Não há nenhuma irregularidade nos ganhos de Pazuello e a distorção ocorre devido a um benefício que os militares têm direito ao ingressar no governo. Por ser militar da ativa, Pazuello não deixou de ganhar o soldo, a remuneração básica calculada de acordo com a graduação no Exército. Quando foi nomeado para a atual função, ele passou a somar o soldo a uma parte da remuneração do cargo de Ministro da Saúde. Isso foi feito para que não ultrapassasse o texto fixado para o funcionalismo federativo, que é de 39,2 mil.  Além disso, de acordo com o site Transparência do governo federal, Pazuello recebeu ajuda de custo de cerca de 62.000 reais por ter se mudado para Brasília, mais um benefício previsto no Estatuto dos Militares. 

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine

Em março, o Ministério da Defesa emitiu parecer para que militares com cargos em órgãos civis públicos passem a receber acima do teto. A proposta obteve aval favorável da Advocacia Geral da União (AGU), mas o trâmite foi interrompido por causa da pandemia. Os militares foram a única categoria de servidor público que teve reajuste no salário em 2019, após texto sancionado por Bolsonaro que alterou a Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Publicidade