Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Paraná é o estado brasileiro que mais recebeu imigrantes da Venezuela

Um a cada seis migrantes interiorizados desde 2018 estão em cidades paranaenses

Por Tulio Kruse Atualizado em 23 jan 2022, 14h01 - Publicado em 23 jan 2022, 14h00

Longe da terra natal, os venezuelanos encontraram na Região Sul a maior parte de seus novos lares  – é para lá que vão quase metade dos migrantes que atravessam a fronteira em Roraima, na outra ponta do país, como mostra reportagem de VEJA desta semana.

Um em cada seis deles estão no Paraná, o estado que mais recebe imigrantes do país vizinho em todo o Brasil. Curitiba é a segunda cidade que mais recebeu venezuelanos interiorizados, atrás apenas de Manaus, um destino natural pela proximidade com o país vizinho.

O  Sul ganhou importância como destino dos venezuelanos não apenas por causa das capitais, mas pelo grande número de cidades no interior que também acolhem os imigrantes. Cascavel, São José dos Pinhais e Maringá, por exemplo, também se destacam entre os principais destinos desses imigrantes. 

A grande maioria trabalha na construção civil e como cozinheiros. O desempenho econômico da região explica parte do motivo para tantos venezuelanos escolherem a região. O Sul é onde o setor da construção mais cresceu nos últimos anos, segundo o IBGE. Mesmo nos pequenos municípios interioranos onde a vida é mais pacata, também há oportunidades na indústria e no setor de serviços. 

Em muitos casos, eles ficam em abrigos provisórios nas próprias cidades de destino antes de serem instalados definitivamente em casas, o que também ocorreu no Paraná. Mas a interiorização também ocorre com o auxílio de ONGs que fazem a intermediação com empresas que precisam suprir a demanda por mão-de-obra. Nesse caso, a mudança para o sul só ocorre quando a contratação é confirmada, e os migrantes recebem auxílio-aluguel pelos primeiros meses e móveis doados por entidades filantrópicas. É uma forma de garantir a estabilidade das famílias por mais tempo.  “Uma das formas mais interessantes de fazer essa integração socioeconômica (de migrantes) é pelo trabalho: quando a pessoa consegue ter renda, ela consegue planejar e ir atrás de outros sonhos”, explica a gerente de projeto Thais Braga, da AVSI Brasil. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês