Clique e assine a partir de 9,90/mês

Para Moraes, policiais presos no Senado extrapolaram competência

Ministro da Justiça disse na manhã de hoje que a PF "simplesmente cumpriu ordem judicial" ao executar as buscas e apreensões e prisões

Por Da Redação - 21 out 2016, 18h57

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou nesta sexta-feira que as investigações que levaram à prisão de policiais legislativos apontam que os servidores extrapolaram o limite de sua competência. A PF prendeu na manhã desta sexta-feira quatro policiais legislativos, entre os quais o diretor da Polícia Legislativa, Pedro Ricardo Carvalho, sob a acusação de terem retirado escutas telefônicas de aparelhos em imóveis particulares e funcionais ligados a três senadores investigados na Operação Lava Jato – Edison Lobão (PMDB-MA), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Fernando Collor (PTC-AL).

“O que as investigações levaram à conclusão, e isso referendado pelo Ministério Público, com ordem judicial, é que em tese alguns servidores da polícia do Senado realizaram uma série de atividades direcionadas à obstrução da Justiça. Em tese, eles extrapolaram o que seria de sua competência”, disse Moraes, após participar de cerimônia de lançamento de um novo sistema eletrônico de inquéritos da Polícia Federal, em Brasília.

Leia também:
‘Fatos são gravíssimos’, diz juiz sobre polícia do Senado
Renan defende varreduras da Polícia Legislativa em nota

Pela manhã, Moraes, que participou de cerimônia em comemoração ao Dia do Aviador, na Base Aérea de Brasília, na qual o presidente Michel Temer estava presente, disse que a Policia Federal “simplesmente cumpriu ordem judicial” ao executar as buscas e apreensões no Senado Federal.

Segundo Moraes, o diretor-geral da PF, Leandro Daiello, lhe telefonou “no inicio da manhã informando que haveria uma operação”, sem detalhar se ele falou que tipo de operação seria realizada e onde ela seria feita.

Continua após a publicidade

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade