Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pai de atirador de GO diz que não sabia que filho sofria bullying

Em depoimento à polícia, major afirma que balas utilizadas pelo garoto na escola ficavam trancadas em uma gaveta e que ele nunca ensinou o menino a atirar

O major da Polícia Militar de Goiás pai do garoto de 14 anos que disparou contra colegas na sexta-feira, 20, no colégio Goyases, em Goiânia, deixando dois mortos, depôs na Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai) na manhã desta segunda-feira. Segundo a TV Anhanguera, o policial disse que não sabia que o filho sofria bullying na escola, como o menino relatou em seu depoimento.

O pai também descartou que ele ou a mãe do adolescente, que também é policial militar e é a dona da arma utilizada no tiroteio, tenham ensinado o filho a atirar ou que o garoto manifestasse alguma atenção especial pela arma, que, de acordo com o major, ficava em cima do guarda-roupa do casal e separado da munição, que era trancada em uma gaveta. Segundo a TV Anhanguera, o policial disse não saber como o filho teve acesso aos projéteis.

O menino continua isolado na Depai, aguardando a audiência com o Juizado da Infância e da Juventude. Na própria sexta-feira, a juíza plantonista Mônica Cézar Moreno Senhorello acatou o pedido do Ministério Público de Goiás (MP-GO) e determinou a internação do menino por 45 dias.

Os tiros disparados pelo garoto mataram João Pedro Calembo e João Vitor Gomes, ambos de 13 anos, e deixou feridos outros quatro colegas  – um menino, que já teve alta, e três meninas, que permanecem internadas. Em depoimento na própria sexta-feira, o filho do major disse que atirou para se vingar do bullying que sofria dos colegas.

Apontado como o responsável pelas brincadeiras com o garoto, João Pedro Calembo foi defendido pela mãe, Bárbara Mello, em uma postagem de uma foto com o garoto. “Não julguem nosso filho“, escreveu ela na legenda da publicação.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Francisco Lemos

    Estao tentando encontrar bode expiatorio. O caso e muito mais amplo. As escolas ,e autoridades em geral, nao tem preparo pra lidar com bullying. Pior, a sociedade brasileira e extremamente tolerante com desrespeito a outro ser humano. E preciso urgencia em tratar esses problemas para evitar tragedias semelhantes.

    Curtir

  2. Roberto Machado de Assis

    A tese de bullying já está confirmada? Por quem?

    Curtir

  3. A solução pra isso é criminalizar o bullyng para maiores de 18 anos, tendo como punição multas equivalente a 100% da renda mensal, que devem ser dobradas a cada reincidência e medidas protetivas contra agressores que praticam bullyng no trabalho.
    Para menos de idade praticante do bullyng, deve-se criar escolas de recondicionamento para onde os agressores serão mandados, separando-os da turma na mesma hora, para não poderem intimidar a vitima e o pai do agressor fica responsável caso haja represália na rua terá de pagar a multa do bullyng e mais uma indenização a vitima caso haja ferimentos graves, dessa forma inibe totalmente o bullyng e também devem ser criadas escolas para as vitimas de bullyng para onde quem sofre bullyng será transferido, escolas com coachings que fortalecerão as vitimas e farão com que se socializem entre sí, para que não se sintam mais excluídas.

    Dessa forma se elimina-se totalmente o bullyng e o governo vai arrecadar muito dinheiro com as multas, detalhe que caso o agressor não pague a multa será bloqueado dinheiro na conta equivalente ao que deve para a justiça ou os bens serão leiloados em equivalência ao que deve.
    Dessa forma aumenta muito a arrecadação do estado e diminui muito os casos de bullyng.

    O que falta é as vitimas de bullyng se unirem em um movimento social para criar essas leis.

    Curtir

  4. Não adianta lutar dizer que o estado luta contra o preconceito, se ele só luta contra racismo, machismo e homofobia, mas permite o pai de todos os preconceitos que é o Bullyng.

    Curtir

  5. alberto boga

    Bullying é phoda! quando criança sofri bullying, que na época, 1968, era chamado de encarnação. Lembro que a minha vontade, na hora, era de trucidar o encarnador. Ou o bullying passa a ser crime, ou teremos muito mais tragédias pela frente.

    Curtir

  6. alberto boga

    Interessante que o mal se apodera do que pratica bullying. E o desgraçado vai aumentando o bullying de tal forma que a vontade é dar um fim no bullyinador.

    Curtir