Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

ONU rejeita ligação de judeus com o Monte do Templo

Resolução da Unesco chama locais sagrados apenas pelo nome árabe e faz parte de campanha da entidade contra Israel

Por Nathalia Watkins - Atualizado em 13 out 2016, 16h22 - Publicado em 13 out 2016, 15h59

A Unesco aprovou nesta quinta-feira, 13, uma resolução segundo a qual o Muro das Lamentações, local mais santo para a religião judaica, assim com todo o Monte do Templo (do qual o Muro faz parte) são sagrados “apenas para os muçulmanos”.

A moção iniciada pelos palestinos com o apoio do Brasil, Egito, Argélia, Marrocos, Líbano, Omã, Catar e Sudão venceu com 24 votos a favor. Vinte e seis nações se abstiveram e apenas seis foram contra.

Estados Unidos e Israel tentaram por semanas evitar a aprovação da resolução, em uma tentativa de preservar a história e não politizar (ainda mais) o braço das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura. 

O Templo do Monte, chamado em hebraico de Har Habait (“Monte da Casa”), é o lugar onde, acredita-se, foram erguidos o Templo de Salomão e, mais tarde, no ano 70 d.C, o Templo de Herodes.

Publicidade

Em 677 d.C, nesse mesmo espaço, foram construídos o Domo da Rocha e a mesquita de al-Aqsa, de 705 d.C.

Hoje, o local é conhecido como a Esplanada das Mesquitas para os muçulmanos. A cidade nunca foi citada pelo Corão, livro sagrado do Islã, e o profeta Maomé nunca pisou na cidade.

 

Publicidade

Leia também:

Publicidade

Se Jeusalém é tão importante para o Islamismo, por que não é citada no Corão?

Diretor de ONG em Gaza é acusado de desviar dinheiro para o Hamas

Morre aos 93 anos o ex-premiê israelense Shimon Peres

 

Publicidade

A campanha da Unesco contra Israel é antiga. Em 2010, a entidade aprovou cinco resoluções contra o país, igualmente impulsionadas por países árabes. Nelas, a organização rechaçou os esforços de Israel para realizar escavações arqueológicas na cidade, considerou que locais sagrados em Belém e Hebron pertencem unicamente aos territórios palestinos, além de condenar a existência de um muro que separa Israel dos territórios e o bloqueio imposto contra a Faixa de Gaza.

Publicidade