Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

OAB quer processar jovem por racismo no Twitter

Denúncia contra estudante de Direito deve ser formalizada nesta quinta-feira

Por Da Redação 3 nov 2010, 21h16

A divulgação no Twitter de comentários racistas contra nordestinos deve custar uma ação criminal contra a jovem Mayara Petruso. Ela é estudante de Direito em São Paulo e já estagiou em um escritório de advocacia. A seção pernambucana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PE) pretende denunciá-la nesta quinta ao Ministério Público paulista pelos crimes de racismo (pena de dois a cinco anos, mais multa) e incitação pública de prática criminosa (três a seis meses de detenção, mais multa).

Os ataques começaram na noite de domingo (31), após a vitória da candidata petista Dilma Rousseff, que recebeu grande votação no Nordeste. Entre as mensagens publicadas com erros de digitação no perfil da estudante estão: “Nordestino não é gente. Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!”. Outras mensagens preconceituosas e agressivas de usuários do Twitter descontentes com a vitória da petista também foram publicadas. A reação veio na forma da mensagem replicada “#orgulhodesernordestino”. O assunto esteve no topo dos comentários do microblog.

Diante da repercussão negativa, informações sobre a estudante no Twitter e nas redes sociais Orkut e Facebook foram apagadas. Mesmo assim, internautas publicaram em fóruns virtuais que Mayara Petruso era estudante de Direito, matriculada do Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) e que trabalharia em um escritório de advocacia.

No final da tarde, o escritório Peixoto e Cury Advogados emitiu nota confirmando que a estudante foi sua estagiária, mas não faz mais parte do quadro de funcionários. O período e o que motivou a jovem a deixar o emprego não foram informados. O texto é crítico: “Com muito pesar e indignação, o escritório lamenta a infeliz opinião pessoal emitida por Mayara, em rede social, da qual apenas tomou conhecimento pela mídia e que veemente é contrário, deixando, assim, ao crivo das autoridades competentes as providências cabíveis”.

A estudante não foi encontrada para comentar o episódio. Na tarde de hoje, outro perfil de Mayara apareceu no microblog reiterando as ofensas. Há suspeita de que as mensagens desta vez sejam falsas. O presidente da seção pernambucana da OAB, Henrique Mariano, afirmou que pretende pedir o rastreamento da conta da autora das mensagens. Mariano afirmou que se outras pessoas também poderão ser identificadas e processadas.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês