Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Nunca aceitei dinheiro’, garante ex-auditor do TCU

Cyonil Borges, delator de esquema de venda de laudos, afirma que não aceitou dinheiro da quadrilha e depois se arrependeu, como afirma a Polícia Federal

Delator do esquema de venda de pareceres e laudos técnicos que levou à Operação Porto Seguro da Polícia Federal (PF), o ex-auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Cyonil da Cunha Borges de Farias Júnior veio a público no último domingo para negar que tenha aceitado inicialmente 100 000 reais em propina e depois se arrependido, como divulgado pela PF.

“Não aceitei, logo não teria como me arrepender. Nunca aceitei qualquer real”, escreveu Cyonil em um fórum de debates na internet. A autenticidade do relato foi confirmada pelo próprio ex-auditor.

Cyonil relata que Paulo Vieira, ex-diretor de Hidrologia da Agência Nacional de Águas e apontado como chefe da quadrilha, o “caçou” pela cidade, escreveu “milhões de e-mails” e foi até a portaria do seu prédio para oferecer dinheiro. O ex-auditor afirma que não desceu até a portaria do edifício para recebê-lo mas, mesmo assim, Vieira deixou um envelope com 100 000 reais com o porteiro. “Fiquei atordoado quando vi o pacote, não sabia o que fazer com ele. Decidi guardá-lo em casa e preparar provas para denunciar tudo à PF”, disse.

Autor de livros sobre direito administrativo e professor de cursinhos preparatórios para concursos públicos, Cyonil fez o desabafo no Fórum Concurseiros, em um tópico de debate aberto por seus ex-alunos. Os estudantes queriam saber o motivo de o professor – tido por muitos como exemplo de ética e retidão – ter seu nome envolvido no escândalo que derrubou a chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha, e o número dois da Advocacia-Geral da União, José Weber de Holanda Alves.

Leia também:

E-mail mostra proximidade de Rose com Lula

Rose acertou indicação da filha durante viagem com Lula

Filha de Rosemary de Noronha deixa cargo na Anac

Proximidade – Segundo relato de Cyonil, Vieira se beneficiou da proximidade pessoal para tentar corrompê-lo. Cyonil relata que começou a reunir provas da tentativa de suborno para se precaver e apresentar uma denúncia consistente à PF. “Juntei tudo, até meus extratos bancários, algumas gravações que fiz.”

Ele afirma que detém muitos outros detalhes do processo ainda não revelados, mas não os divulgará até o fim do inquérito. “Há milhões de outras informações. Foram três anos de e-mails guardados. Que bandido guarda os e-mails na caixa de entrada e saída? Acho que só eu, né?”, provoca.

Ele diz que “a galera do lado de lá” fará tudo para desmerecer a sua imagem, mas afirma que nunca titubeou em seguir em frente com a denúncia e agora se diz aliviado. “Muitos vão acreditar em mim. Muitos vão me apedrejar. Não me arrependo de ter denunciado o esquema”, afirma.

(Com Estadão Conteúdo)