Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Número de mortos sobe para 115 em MG; 248 pessoas seguem desaparecidas

Número de pessoas identificadas continua em 71 até o momento

A Defesa Civil de Minas Gerais informou no começo da noite desta sexta-feira, 1º, que subiu de 110 para 115 o número de mortos no rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho (MG).

Os desaparecidos no desastre, que ontem 238 na última atualização, subiu para 248. Segundo o tenente-coronel Flávio Godinho, o número de desaparecidos aumentou porque a Vale atualizou a lista. Foram identificados 71 corpos até o momento.

Arlen Bahia, delegado da Polícia Civil-MG, diz que há 19 corpos em que exames já foram feitos, mas aguardam a confirmação do Instituto Médico Legal para que os corpos sejam liberados para as famílias. Segundo ele, foi colhido material de 26 pessoas afim de identificar outras vítimas que já estão com a Polícia Civil.  O delegado também afirmou que a prioridade é a liberação dos corpos e, por isso, a delegacia da cidade vai funcionar em horário estendido durante o fim de semana e a próxima semana.

Segundo o o porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, a corporação não descarta que haja sobreviventes, mas admite que a possibilidade é pequena.

Estelionatário preso

Segundo o Major Flávio Santiago, porta-voz da Polícia Militar de Minas Gerais, um homem foi preso na tarde de sexta-feira em Belo Horizonte. Segundo ele, o golpista se identificava como Policial Federal e pedia celulares de última geração a pessoas que ajudariam a identificar as vítimas de Brumadinho. “Nenhum oficial público está autorizado a pedir qualquer tipo de doação. É possível que as pessoas fiquem atentas porque há pessoas que tentam se aproveitar da situação para aplicar golpes”.

De acordo com Santiago, a PM encerrou a varredura em 400 quilômetros quadrados em busca de sobreviventes da tragédia em Brumadinho. A partir de agora, os policiais vão fazer presença em pontos estratégicos para garantir a segurança e evitar novos saques – não houve nenhuma nova ocorrência nos últimos dois dias.