Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Novo livro surpreende até quem acha que sabe tudo sobre o goleiro Bruno

Com passagens inéditas, 'Indefensável — O Goleiro Bruno e a História da Morte de Eliza Samudio' derruba a ideia de que tudo já foi dito sobre o crime

Por Monica Weinberg Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
24 Maio 2014, 01h00

Em carreira ascendente no futebol brasileiro, o mineiro Bruno Fernandes, goleiro e ídolo do Flamengo, se refestelava numa espreguiçadeira à beira da piscina quando a ex-amante cruzou seu campo de visão, fez um aceno com a mão e disse “tchau”. Ele não se mexeu. Quando a moça já não podia mais ouvi-lo, soltou um lacônico “Vá com Deus” e voltou ao papo e à cerveja. Era 10 de junho de 2010 quando Eliza Samudio, então com 25 anos, foi conduzida à casa onde seria barbaramente assassinada, o desfecho de uma trama que, diante da brutalidade e da frieza, fez tremular até mesmo os mais habituados às páginas policiais. Dois dias depois, o goleiro foi flagrado de colar havaiano e sorriso largo sob o sol escaldante de Angra dos Reis. Apostava que a fama lhe garantiria a impunidade. Três anos mais tarde, já encarcerado e rendido à vida longe do glamour e das farras sem limites, mas sem nunca perder a soberba, Bruno dirigiu-se, pesaroso, à atual mulher, a dentista Ingrid Oliveira, num dia de visitas em que o Brasil enfrentava o Uruguai pela Copa das Confederações: “Poderia ser eu ali”.

Ao revirar o caso e trazer à tona essas e outras passagens inéditas, o livro Indefensável – O Goleiro Bruno e a História da Morte de Eliza Samudio (Record; 265 páginas; 32 reais) derruba a ideia de que tudo já foi dito sobre o crime e reforça, à base de reportagem irretocável, o protagonismo do jogador do começo ao fim do enredo. Mais de uma centena de pessoas foram ouvidas para tecer uma narrativa que volta à juventude de Bruno para mostrar que mesmo nos tempos mais duros a prepotência e a mania de grandeza estiveram sempre à espreita; entra nos bastidores do Flamengo para revelar os mandos e desmandos do goleiro que ninguém ousava contrariar; e refaz os passos dos personagens da trama com espantosa riqueza de detalhes. Parece que os três autores testemunharam cena a cena. O livro foi escrito pelos jornalistas Paula Sarapu, Paulo Carvalho e Leslie Leitão, repórter de VEJA com mais de uma década de dedicação ao noticiário esportivo e policial. Foi ele o primeiro a publicar no jornal carioca O Dia a notícia do sumiço de Eliza. Em VEJA, estampou uma carta interceptada no presídio que ajudaria a minar a defesa: o goleiro suplicava ao seu braço-direito, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, que seguisse o “plano B”, assumindo sozinho a culpa.

Para ler a continuação dessa reportagem compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet, no iPhone ou nas bancas.

Outros destaques de VEJA desta semana

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.