Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Novas revelações no caso da delegada presa com quase 2 milhões de reais

Justiça determina sequestro de Jeep Compass presenteado por Adriana Belém ao filho. Ela e sobrinho vão responder por lavagem de dinheiro

Por Adriana Cruz Atualizado em 25 Maio 2022, 15h36 - Publicado em 25 Maio 2022, 12h35

Presa com quase 2 milhões de reais, a delegada Adriana Belém vai dividir o banco dos réus com o sobrinho e sócio de um escritório de advocacia Richard Henrique Belém da Silva pelo crime de lavagem de dinheiro. O parente é o mais novo implicado na denúncia do Ministério Público enviada à Justiça. Ele é acusado de ter pago quase 200 mil reais em dinheiro e colocado em seu nome um Jeep Compass, em janeiro. O veículo foi dado de presente pela delegada ao filho Gabriel em seu aniversário de 18 anos.

Para os investigadores, a compra do carro pelo sobrinho era para ajudar a tia a ocultar a origem ilícita dos valores e esconder a real propriedade do presente para o rebento. O juiz Marcello Rubioli, da 1ª Vara Criminal Especializada do Rio de Janeiro, determinou o sequestro do Jeep Compass. No documento ao qual VEJA teve acesso, o magistrado ressalta que na época da prisão, no último dia 10 de maio, Adriana estava licenciada da Polícia Civil e ocupava cargo na Secretaria Municipal de Esporte e Lazer da Capital com salário de pouco mais de 10 mil reais.

Marcello Rubioli rejeitou ainda o pedido da defesa de Adriana de liberdade. Mas decidiu que, ao invés de ser preso, Richard terá que comparecer mensalmente em juízo, está proibido de manter contato com testemunhas e será obrigado a usar tornozeleira eletrônica. Antes de ser presa, a delegada ostentava vida de luxo nas redes sociais e fazia questão de postar fotos com famosos como o ex-jogador Adriano Imperador, do Flamengo e da Inter de Milão.

Adriana caiu na rede de investigação da operação Calígula, deflagrada na terça-feira, 10, pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, contra a quadrilha liderada pelo sobrinho do bicheiro Castor de Andrade, Rogério de Andrade. Rogério é apontado como sócio do PM reformado Ronnie Lessa em bingo clandestino, preso acusado de ser o executor das mortes da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, em 2018. A aliança entre os dois trouxe Rogério para o centro das investigações do caso Marielle.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)