Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

No último programa de TV, Marina volta a criticar o PT

A candidata foi a única entre os três favoritos a apresentar uma nova versão do programa eleitoral; Aécio e Dilma repetiram os vídeos exibidos à tarde

Em queda nas pesquisas eleitorais, a candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, foi a única entre os três favoritos na disputa ao Palácio do Planalto a apresentar um novo programa no último horário eleitoral do primeiro turno, exibido na noite desta quinta-feira. Os candidatos do PT e do PSDB, Dilma Rousseff e Aécio Neves, que disfrutam de mais tempo de TV, usaram os mesmos vídeos exibidos à tarde. A petista conta com quase doze minutos na programação e o tucano, com quase seis.

A candidata do PSB dedicou boa parte dos seus parcos dois minutos para um depoimento que traz ao fundo a favela de Paraisópolis, a segunda maior da cidade de São Paulo e onde cumpriu agenda de campanha na quarta-feira. Durante o vídeo, Marina faz críticas à atual gestão, sem citar o PT. Ela enfatiza que o Brasil precisa de mudanças, dizendo que o país “de verdade” tem muitos problemas. “Não é aquela ilha da fantasia que aparece na propaganda”, diz, numa referência ao programa eleitoral da presidente-candidata Dilma Rousseff, que já foi alvo de críticas da ex-ministra.

Leia também:

Propaganda na TV tem Dilma com Lula, Aécio com a família e Marina no ataque

Datafolha: Aécio empata com Marina no 2º lugar

Marina repetiu que reconhece os ganhos dos governos anteriores: “Muita coisa melhorou nos últimos 20 anos, mas muitas coisas pararam de melhorar e começaram a piorar”, disse. Ela voltou ainda a se defender dos ataques que vem sofrendo, principalmente de seu antigo partido, o PT, mais uma vez sem mencionar a sigla. “Quando aparece alguém propondo um novo caminho, eles agem espalhando a mentira.”

Nos segundos finais do programa, Marina voltou a usar o mote da “união”, que aparece em seu jingle de campanha, dizendo que, com a união “o Brasil vai ser muito mais bonito do que qualquer propaganda”.