Clique e assine a partir de 9,90/mês

No aniversário do Rio, motoristas de ônibus fazem greve

Entre as reivindicações, rodoviários exigem aumento salarial de 15% e fim da dupla função; apenas 20% dos coletivos circulam na capital

Por Da Redação - 1 mar 2013, 09h33

No dia em que completa seu 448º aniversário, o Rio de Janeiro enfrenta uma sexta-feira complicada pela falta de transporte público desde as primeiras horas da madrugada. Uma greve dos rodoviários paralisou grande parte dos ônibus e os cariocas têm problemas para chegar ao trabalho. Ao longo das vias de acesso ao centro e à Zona Sul da cidade, os pontos estão repletos, o metrô também opera com trens lotados. Apenas 20% dos coletivos estão circulando, segundo sindicalistas. O ônibus é o meio de transporte usado para, pelo menos, 75% das viagens dentro do município. O Rio tem em operação na frota urbana um total de 8.800 ônibus, que transportam diariamente cerca de 3,2 milhões de passageiros.

Na Zona Oeste, houve momentos de tensão e tumulto, com carros da viação Pégaso apedrejados no momento em que deixavam as garagens, nos bairros de Campo Grande e Santa Cruz.

Pontos de ônibus lotados, poucos ônibus circulando: Rio enfrenta greve de rodoviários no dia de seu aniversário de 448 anos
Pontos de ônibus lotados, poucos ônibus circulando: Rio enfrenta greve de rodoviários no dia de seu aniversário de 448 anos VEJA

A paralisação a partir da 0h desta sexta-feira foi decidida em assembleia realizada na quinta-feira pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores de ônibus da Cidade do Rio (Sintraurb-Rio). A categoria rejeitou a proposta de reajuste salarial de 8%, oferecida pelo Rio Ônibus, o sindicato das empresas de ônibus que operam na capital do estado. Os trabalhadores exigem aumento salarial de 15%, o fim da dupla função (quando o mesmo funcionário atua como motorista e cobrador), vale-alimentação de 15 reais, cesta básica de 200 reais sem desconto em folha e plano de saúde.

Uma nova reunião na manhã desta sexta-feira tenta resolver o impasse. O Rio Ônibus, segundo informou a prefeitura do Rio, entrou na Justiça para solicitar decretação de ilegalidade da paralisação.

A Secretaria Municipal de Transportes informou, através de nota, que a greve é parcial. Segundo o município, “ao longo das ultimas horas está sendo observado aumento gradativo da frota nas ruas do Rio”. A prefeitura determinou aos consórcios que ponham toda a frota programada nas ruas.

Pela manhã, segundo a secretaria, o corredor BRT Transoeste, que conecta Santa Cruz à Barra da Tijuca, tem estações abertas, mas operou com 22 ônibus articulados – a frota total é de 80 ônibus.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade