Clique e assine com até 92% de desconto

Navio naufraga no Amapá; há pessoas desaparecidas e três mortes

Pessoas foram jogadas no mar após ventos fortes e foram resgatadas em seguida por um bote que passava perto do local

Por Redação Atualizado em 1 mar 2020, 13h13 - Publicado em 29 fev 2020, 14h33

Uma embarcação de médio porte chamada Anna Karoline 3 naufragou na madrugada deste sábado, 29, no sul do Amapá. O navio saiu da localidade do Porto do Grego, no município de Santana (AP), com destino a Santarém (PA), e afundou nas proximidades da Boca do rio Jari. Segundo a Marinha do Brasil, três pessoas morreram. Os corpos das três vítimas foram encontrados pelos bombeiros ainda no sábado. As buscas por possíveis desaparecidos continuam neste domingo.

Por meio da Capitania dos Portos do Amapá, de acordo com o Comandante da embarcação, após um forte vento, passageiros caíram na água, sendo resgatados por uma balsa que passava pelo local.

“Após tomar conhecimento do ocorrido, a Capitania dos Portos enviou imediatamente uma equipe de Busca e Salvamento para o local do naufrágio a fim de realizar buscas aos desaparecidos. Foi instaurado um inquérito para apurar as causas, circunstâncias e responsabilidades do acidente. A Marinha do Brasil lamenta o ocorrido e incentiva a sociedade a participar ativamente no esforço de fiscalização”, diz a nota.

Ainda na manhã deste sábado, um helicóptero e um avião do Grupamento Tático Aéreo (GTA), unidade de resgate do governo do estado, foram enviados à região. Dois barcos da Marinha também partiram do Porto de Santana, levando equipes da Capitania dos Portos e dos Bombeiros, para a operação de resgate. O Comando do 4º Distrito Naval, com sede em Belém, também está enviando um navio para ajudar na operação.

A cidade mais próxima onde ocorreu o acidente com a embarcação Anna Karoline 3 é Vitória do Jari, um município com menos de 15 000 habitantes, onde a comunicação via celular é muito precária e não há pista de pouso para aviões. O naufrágio ocorreu em uma área de difícil acesso, com muitos bancos de areia e a cerca de 100 quilômetros de Macapá, a capital do estado.

Ainda não se sabe os motivos que levaram ao naufrágio e nem quantas pessoas estavam a bordo. Segundo o Comandante, a embarcação deveria ter entre 60 e 70 pessoas. A expectativa é que as primeiras equipes de socorro só cheguem ao local no fim da tarde e início da noite.

Dona do navio

A embarcação faz parte da frota da Erlon Rocha Transporte LTDA, do empresário Erlon Rocha, filho de Antônio Rocha, que foi deputado estadual do Amapá por cinco mandatos e atualmente é vereador de Santarém. Em nota, a empresa lamenta o ocorrido.

“A empresa, que atua há anos no mercado com total respeito aos seus clientes e usuários, lamenta o ocorrido e se solidariza com as vítimas e familiares atingidas com a tragédia de hoje, bem como não está medindo esforços para ajudar no que for possível”, diz o comunicado.

Segundo a empresa, o navio estava alugado para Paulo Márcio Simões Queiroz, “o qual tem total responsabilidade pelo ocorrido, conforme contrato de locação devidamente firmado entre as partes”. Simões Queiroz não foi localizado até a última atualização desta reportagem.

Continua após a publicidade
Publicidade