Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Na Rio+20, mais polícia e menos crimes nas ruas do Rio

Dados do ISP mostram queda nos índices de homicídio, roubo de rua e roubo de veículos nas áreas que receberam eventos ligados à conferência da ONU

O esquema de segurança montado para a Rio+20 – que envolveu forças federais, estaduais e municipais – tinha como objetivo central proteger os chefes de estado, delegados e demais visitantes, mas acabou beneficiando os cariocas em geral. Um levantamento do Instituto de Segurança Pública (ISP) mostra uma queda significativa dos principais índices de criminalidade nas áreas da cidade onde foram realizados os eventos, entre 13 e 22 de junho, na comparação com o mesmo período de 2011.

A categoria ‘roubo de rua’, que compreende os indicadores de ‘roubo a transeunte’, ‘roubo de aparelho celular’ e ‘roubo a coletivo’, teve uma redução de 39% na área da Rio+20, com 217 registros contra 357 casos no ano anterior. Já o Roubo de Veículos caiu 20% (de 51 para 41 carros) e os Homicídios despencaram de 11 para três. Para o subsecretário extraordinário de Grandes Eventos, Roberto Alzir, esses números traduzem o sucesso da operação.

“Sem dúvida, foi um dos pontos altos da organização. Recebemos diversas referências elogiosas dos participantes e autoridades sobre a postura e atuação do efetivo empregado que, pela primeira vez, através do RAS, remunerou o policial que trabalhou no seu horário de folga, motivando, ainda mais, os nossos servidores”, comentou Alzir, acrescentando que diversas reuniões de crítica estão sendo programadas, para que a experiência acumulada sirva de suporte para os próximos eventos.

A Rio+20 também marcou a estreia do Regime Adicional de Serviço (RAS), programa de contratação de policiais militares e civis em folga, o que contribuiu para elevar o efetivo total para mais de 8 mil policiais em ação nas ruas. Além da PM e da Polícia Civil, o esquema contou com participação da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Forças Armadas e Guarda Municipal. A coordenação ficou a cargo do Comando Militar do Leste.

O ISP considerou os dados de ocorrências em 18 delegacias que atenderam às áreas onde aconteceram os principais eventos da Rio+20, principalmente Riocentro, Parque dos Atletas, Aterro do Flamengo, Pier da Praça Mauá, Quinta da Boa Vista e Sambódromo. As delegacias incluídas foram: 5ª (Mem de Sá), 6ª (Cidade Nova), 7ª (Santa Tereza), 9ª (Catete), 10ª (Botafogo), 12ª (Copacabana), 13ª (Ipanema), 14ª (Leblon), 15ª (Gávea), 16ª (Barra da Tijuca), 17ª (São Cristóvão), 18ª (Praça da Bandeira), 32ª (Taquara), 37ª (Ilha do Governador), 41ª (Tanque) e 42ª (Recreio dos Bandeirantes), além da Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat) e da Delegacia do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (DAIRJ).

O ISP usou como base de comparação o período de 15 a 24 de junho de 2011, para poder analisar os mesmos dias da semana no mesmo período do mês.

Leia também: A segurança da Rio+20: o inimigo agora é outro