Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Na caça a desmatadores, PF adota tecnologias para detectar madeira ilegal

Cruzamento de dados de dois sistemas tem sido usado como provas

Por Juliana Castro 2 Maio 2021, 08h24

Ao longo das investigações de duas das maiores operações contra a exploração ilegal de madeira — a Arquimedes, deflagrada a partir de 2017, e a Handroanthus GLO, no fim do ano passado –, a Polícia Federal lançou mão de duas tecnologias que têm ganhado espaço e a preferência dos investigadores: um sistema novo de monitoramento por satélite, chamado Planet, e uma ferramenta que identifica, por assim dizer, o DNA da árvore.

Conjugados, os dois métodos têm sido usados para coibir o desmatamento. Com esse último, é possível aferir de qual região da Amazônia as toras apreendidas em uma ação foram extraídas. Dessa forma, a PF compara se elas foram retiradas da mesma área que a documentação descreve ou se houve fornecimento de dados falsos — quando, por exemplo, o madeireiro aponta que extraiu o material de um local permitido, mas, na verdade, o retirou de áreas protegidas. Esse DNA das árvores, chamado pelos especialistas de assinatura isotópica, é identificado porque cada vegetação guarda as características específicas, moldadas ao longo do tempo pelo solo, altitude, temperatura e clima a que foi exposta — e isso sempre varia de região para região.

Para chegar a essa identificação, é usado um espectrômetro de massas, aparelho que emite um laudo científico que aponta características únicas da origem geográfica da madeira. Esse mesmo método já era usado, por exemplo, para saber o local de procedência de cocaína ou ouro ilegal e desbaratar quadrilhas. Em janeiro deste ano, autoridades brasileiras foram aos Estados Unidos articular a devolução de madeira da Amazônia exportada ilegalmente. Na ocasião, foram coletadas, nos portos americanos, amostras de ipê, jatobá e outros exportados do Brasil para serem comparadas com o banco de amostras da área declarada como origem da exploração florestal, utilizando a técnica de isótopos estáveis e outros recursos tecnológicos desenvolvidos no Brasil.

No caso das árvores da Amazônia, um banco de dados vem sendo abastecido. “Vamos precisar de um tempo para formá-lo. Isso vai nos dar a rastreabilidade da madeira”, explica o delegado da Polícia Federal Alexandre Saraiva, que foi exonerado do comando da PF no Amazonas depois que apresentou uma notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Saraiva comanda a investigação da maior apreensão de madeira ilegal do país, a Handroanthus GLO, e Salles, por sua vez, defendeu a liberação da carga, tomando o lado da indústria madeireira. VEJA mostra na edição desta semana as irregularidades apontadas na apuração e como a ação chegou aos bastidores do poder em Brasília

Para completar o rastreamento da madeira, a PF passou a utilizar recentemente o programa americano Planet Labs, que dispõe de imagens em alta resolução de aproximadamente 130 satélites que fornecem imagens das últimas 24 horas e a uma curta distância. Na notícia-crime contra o ministro Ricardo Salles, o então superintendente da PF no Amazonas salientou a importância do uso dessa ferramenta e disse que ela fazia parte de um novo método de investigação, por meio de abordagem in loco. O auxílio da plataforma Planet propicia o confronto do Plano de Manejo Florestal, que indica onde as árvores foram retiradas, com imagens de satélites praticamente em tempo real (que verifica se realmente foram extraídas do local indicado). 

Continua após a publicidade
  • O projeto-piloto foi testado na Superintendência do Amazonas e na Diretoria Técnico-Científica da Polícia Federal ao menos nos últimos dois anos. Em abril de 2019, com a deflagração de mais uma etapa da Operação Arquimedes — na qual 26 suspeitos foram presos, entre eles um ex-superintendente do Ibama no Amazonas –, o presidente Jair Bolsonaro veio a público defender a tecnologia, sem  explicitar o nome do sistema. “A operação marca o início da utilização de uma ferramenta tecnológica de imagens de satélite que possibilita identificar ‘novos focos’ de desmatamentos quase que diariamente, o que resultou numa melhor fiscalização e no aumento das ações de campo”, escreveu em suas redes sociais. Em setembro de 2020, o governo federal anunciou que a ferramenta seria usada em todo o território nacional.

    Operação contra desmatamento irregular na região APA de Pouso Alto, no município de Cavalcante.
    Desmatamento irregular na região APA de Pouso Alto, no município de Cavalcante Divulgação/Divulgação

    Com essa tecnologia, os investigadores são capazes de identificar a exata localização indicada no respectivo laudo do DNA da árvore, comparar com o local descrito nos documentos necessários para a exportação e o transporte da carga e identificar eventuais divergências entre ambos. Para usar o programa, a União vai desembolsar anualmente 50 milhões de reais em recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública, valor que dá direito ainda a que o sistema esteja disponível também para os estados.

    Polêmica

    O contrato gerou críticas de alguns especialistas e órgãos como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que alegaram que o governo já contava com imagens e um sistema de alertas de desmatamento até melhor. A polêmica chegou ao Tribunal de Contas da União (TCU) e, no dia 18 de setembro, a ministra Ana Arraes determinou a suspensão do contrato recém-assinado, feito sem licitação, sob o argumento de que se tratava de um serviço único. Três dias depois, ela voltou atrás, convencida por argumentos da PF e do Ministério da Justiça.

    Para os investigadores, o serviço da empresa americana é mais preciso, atualizado e permite, por exemplo, até localizar balsas que estejam descendo o rio carregadas de madeiras. O governo federal argumenta que, em comparação com tecnologias em uso atualmente, o programa permite receber cinco vezes mais imagens, com resolução sete vezes melhor e, além disso, defende que o sistema auxilia também na identificação de fraudes em obras de engenharia, crimes de tráfico de entorpecentes e crimes ambientais, como fraudes em manejo florestal, corte seletivo de madeira e a detecção, ainda no início, de queimadas, desmatamento, mineração irregular, dentre outros.

    Nos projetos-pilotos, o programa ajudou na identificação de ilícitos praticados do dia para a noite, como a abertura-relâmpago de pistas de pouso clandestinas ou de pequenas vias de acesso para desflorestamento irregular.

    Continua após a publicidade
    Publicidade