Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Na Bahia, PDB pagará dívidas políticas

Com a ajuda do vice-governador, Kassab garante participação de prefeitos baianos no partido que pretende criar

Por Adriana Caitano 15 mar 2011, 15h27

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), ganhou um inesperado apoio para fincar as bases do Partido Democrático Brasileiro (PDB) no Nordeste. Assim que soube das intenções de Kassab, o vice-governador da Bahia, Otto Alencar (PP), o procurou para garantir espaço na nova legenda em seu território. O movimento não teve nada a ver com caridade. O objetivo: pagar as próprias dívidas políticas.

Nas eleições de 2010, após migrar do PR para o PP para ocupar a vice na chapa de Jaques Wagner (PT) ao governo da Bahia, Alencar mobilizou velhos aliados nos municípios baianos. Ele estima que ajudou a arrebanhar para a campanha mais de 300 prefeitos de diferentes partidos, inclusive os adversários, como PSDB e DEM, da coligação do candidato Paulo Souto, e PR, que apoiava o candidato do PMDB, Geddel Vieira Lima.

Leia também:

Leia também: A metamorfose de Gilberto Kassab

Saiba quais são as dificuldades para tirar o PDB do papel

Continua após a publicidade

Às claras – Sem papas na língua, o vice solta aos quatro ventos a intenção de migrar para o PDB, ao contrário do próprio Kassab. “Não há nada de oportunismo ou clientelismo”, assegura. “Quem julga é o povo e na Bahia todos estão recebendo muito bem a ideia porque sabem que aqui o partido vai ser uma solução”. Desgastado com o PP, que, segundo ele, não o chama sequer para reuniões partidárias, Alencar tem a anuência de Jaques Wagner para a migração.

Para ele, a criação do PDB é resultado do que chama de inflexibilidade da lei eleitoral, por não permitir que um prefeito seja candidato à reeleição se for contra os interesses do partido. “A lei dá muito poder aos presidentes dos partidos. Eles têm mais poder que general cinco estrelas na época da ditadura, mandam e ninguém discute”.

Para reforçar seu argumento, ele cita o exemplo do irmão, Eduardo Alencar (PSDB), prefeito do município baiano de Simões Filho, que apoiou o candidato petista nas eleições porque Otto era o vice. O apoio familiar, mas contrário aos interesses do PSDB, teve um preço. “O primeiro ato do presidente do partido na Bahia, Antônio Imbassahy, foi tirar a possibilidade dele se candidatar à reeleição em 2012, dando a chance para o Jackson Bonfim, seu maior rival”, afirma Alencar.

Grande alcance – O vice-governador baiano calcula que o PDB tenha representação em pelo menos 24 estados brasileiros e, na Bahia, conte com a adesão de 100 prefeitos e ex-prefeitos, muitos vereadores, até cinco deputados federais e oito estaduais. “Mas criar um partido não é uma engenharia política fácil, pode ser que na hora h a pressão das legendas fale mais alto”, pondera.

No próximo dia 20, Alencar reúne-se com o prefeito Gilberto Kassab, em Salvador, para acertar os ponteiros. Ele diz que o manifesto do PDB sairá do forno três dias depois, em Brasília. Já sobre a fusão com o PSB, é evasivo. “Só o futuro vai dizer. Na política, tudo acontece como no amor, passo a passo. Qualquer precipitação é véspera de fracasso”, filosofa.

Continua após a publicidade

Publicidade