Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mulher de Suzane Richthofen deixa Penitenciária de Tremembé

Agora, Sandrão cumprirá pena no semiaberto em São José dos Campos

Sandra Regina Ruiz Gomes, mais conhecida como Sandrão, mulher de Suzane von Richthofen, foi transferida nesta quarta-feira da penitenciária de Tremembé I para o Centro de Ressocialização Feminino em São José dos Campos, no interior de São Paulo. Condenada a 24 anos de prisão pelo sequestro seguido de morte de um garoto de 14 anos, Sandrão teve concedida a progressão de pena para o regime semiaberto – ela passou treze anos atrás das grades e apresentava bom comportamento. Em 2011, ela já havia recebido o benefício, mas voltou ao regime fechado por ter agredido um agente penitenciário.

Em Tremembé Sandrão divide a “cela das casadas” com Suzane, com quem se relaciona há quase dois anos. Em entrevista ao programa de Gugu Liberato na Rede Record, elas disseram que a distância não vai separá-las e que pretendem manter o relacionamento fora das grades – Suzane recebeu o mesmo benefício em agosto do ano passado, mas abriu mão por não querer deixar a penitenciária. Antes de Suzane chegar ao presídio, Sandrão namorou Elize Matsunaga, condenada por assassinar e esquartejar o marido, Marcos Matsunaga, em junho de 2012 – Suzane teria sido o pivô da separação.

O casal Suzane e Sandrão se conheceu na oficina de costura de roupas que funciona dentro do presídio, em 2007. A princípio, segundo contaram, elas eram apenas amigas. A paixão teria brotado há cerca de dois anos, quando elas passaram a ficar muito tempo juntas jogando xadrez nos fins de semana. “Ela tremia. Eu disse que ia entender se ela não quisesse mais falar comigo, mas ela disse: ‘É uma loucura, mas eu também estou apaixonada por você'”, relatou Sandrão na entrevista para Gugu.

Após assinarem um documento de reconhecimento de relacionamento afetivo, Sandrão e Suzane passaram a dormir juntas em uma cela especial destinada a presas casadas. Antes do casamento, Suzane ocupava a cela especial reservada a evangélicas desde 2002, quando ela foi presa por arquitetar o assassinato dos pais Manfred e Marísia von Richthofen, mortos a pauladas pelos irmãos Cravinhos.

Leia também:

Suzane, Sandra e o jogo de sobrevivência na cadeia

Suzane Richthofen se casa dentro da cadeia. Com uma sequestradora

(Da redação)