Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MTST ameaça fazer uma ocupação por semana

O movimento pressiona a prefeitura de São Paulo a aprovar Plano Diretor, que reordena o crescimento de São Paulo pelos próximos 16 anos

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) enviou nota à imprensa na tarde deste domingo em que afirmou realizar uma nova ocupação a cada semana que a Câmara Municipal de São Paulo não submeter o Plano Diretor à votação. Na madrugada de sexta-feira, o movimento invadiu um terreno particular no Morumbi, na zona sul da cidade, como forma de protesto contra a demora da votação do projeto que reordena o crescimento de São Paulo pelos próximos 16 anos. Em menos de 12 horas, cerca de 600 barracos foram erguidos na área que pertence à construtora Even.

Leia também:

Novo Plano Diretor beneficia ocupações de sem-teto em SP

Às pressas, PT tenta aprovar lei para o MTST em São Paulo

Segundo José Afonso, da Secretaria Nacional do MTST, as ocupações não são apenas uma forma de pressão, mas também uma necessidade. “O movimento cumpriu a sua parte, falta o governo cumprir a dele. Há vários terrenos na cidade simplesmente reservados para especulação imobiliária, sem interesse nenhum para construir”, disse Afonso.

O aviso de que uma ocupação “nascerá” a cada semana também foi publicado na página do movimento no Facebook: “Recado do MTST aos Vereadores de São Paulo: a cada semana de atraso na votação do Plano Diretor, uma nova ocupação nascerá na cidade. Ontem foi no Morumbi… A luta é pra valer!”, afirmaram. A construtora Even, dona do terreno ocupado neste final de semana, afirmou, por meio de nota, que ficou indignada com a invasão e que tomará as medidas legais necessárias para a reintegração de posse da área.

A empresa disse ainda que a construção de um empreendimento no terreno depende da aprovação do projeto por parte da Prefeitura. “O terreno é propriedade privada, adquirido há quase 3 anos, e o projeto para a construção de um empreendimento residencial foi protocolado na Prefeitura de São Paulo imediatamente após sua aquisição. O lançamento será feito após sua aprovação”, diz a nota.

Segundo a Prefeitura, a aprovação de um projeto de construção depende do atendimento das legislações municipais pelo interessado. A Secretaria Municipal de Licenciamento afirmou, entretanto, que vai levantar na segunda-feira o andamento da documentação do empreendimento em questão.

(Com Estadão Conteúdo)