Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MPF: não há vestígios de invasão em terra indígena onde morreu cacique

Procurador Rodolfo Lopes afirmou que não pode classificar o caso que envolve a liderança indígena como um homicídio: "Temos uma morte que será investigada"

O Ministério Público Federal comunicou nesta segunda-feira, 29, que uma equipe da Polícia Federal não encontrou indícios de invasão de garimpeiros na reserva indígena onde morreu um cacique no último dia 23, no Amapá. Segundo o procurador-chefe do MPF no Estado, Rodolfo Lopes, não há nem elementos para dizer que o caso é de homicídio. “Temos uma morte que será investigada. Não podemos tratar como assassinato porque não sabemos quais foram as circunstâncias”, afirmou.

Emyra Waiãpi, uma liderança de 62 anos do povo waiãpi, foi encontrado morto na semana passada numa reserva localizada a 300 quilômetros da capital Macapá. A Polícia Militar havia informado que o corpo apresentava perfurações. Outros expoentes da comunidade indígena denunciaram que Emyra foi assassinado em um conflito com invasores não indígenas. Houve relatos de que garimpeiros causaram pânico na região e expulsaram os indígenas de sua tribo.

O procurador afirmou que policiais foram guiados por waiãpis até os locais onde os invasores teriam se alojado. Lopes disse que a perícia realizada pela equipe não constatou a presença de não indígenas na região. Não foram encontrados objetos, vestígios de fogueiras nem pegadas que acusariam a passagem de garimpeiros pela tribo. “De forma preliminar, não se confirma a informação de que houve uma invasão”, declarou o procurador. 

Ao MPF, a Funai comunicou que não possui nenhum estudo que aponte para a presença de garimpo ou de desmatamento na região onde estão localizadas as tribos do povo waiãpi.

A investigação agora tentará determinar as circunstâncias em que o cacique morreu. Lopes afirmou que os indígenas deram autorização para que peritos exumem o corpo para fazer uma autópsia. Até o fim desta semana, a equipe da Polícia Federal que esteve na tribo irá entregar ao MPF um relatório com todos os elementos levantados na apuração.

Pela manhã, o presidente Jair Bolsonaro colocou em dúvida o assassinato do cacique ao afirmar que não havia “nenhum indício forte” de crime. “Chegaram várias possibilidades. A PF está lá, quem nós pudemos mandar já mandamos. Buscarei desvendar o caso e mostrar a verdade sobre isso aí”, afirmou.

Na mesma entrevista, Bolsonaro disse que pretende abrir as reservas indígenas para atividades de garimpo. Ele declarou que ONGs estrangeiras são contra a exploração de minérios nos territórios porque desejam ver índios “presos num zoológico animal” e porque querem “ter para si a soberania da Amazônia”.